Canudo de plástico biodegradável: você pode estar sendo enganado!

O ano é 2019 e, finalmente, a proibição do canudo de plástico em bares e restaurantes passa a ser regulamentada, como é o caso do estado de SP. No entanto, com isso, muitas empresas começaram a tentar dar o seu famoso jeitinho “brasileiro” para continuar com suas vendas: enganando seus consumidores. Como?! Falando que seus canudos de plásticos são biodegradáveis. Mas atenção! Isso não existe – e eles também estão proibidos!

Canudo de plástico biodegradável: uma farsa à venda

Como tudo começou: a guerra contra os canudos de plástico

Alguns de vocês, nossos leitores, devem se lembrar de um vídeo que circulou há alguns anos de uma equipe de biólogos salvando uma tartaruga que estava com um canudinho preso dentro do seu nariz. Se quem não viu e se interessou a ver, basta clicar aqui, mas já logo vamos avisando que as cenas são bem chocantes e fortes. É para poucos!

Pois bem, desde então, o furor em torno do canudo plástico aumentou consideravelmente – e com razão, é claro! Ele representa 4% de todo o lixo plástico do mundo, o que é bastante significativo – e péssimo – por si só. Além disso, o canudinho é composto por polipropileno e poliestireno (plásticos), elementos não biodegradáveis, podendo levar até mil anos para se decompor no meio ambiente!

O canudo representa 4% de todo o lixo plástico do mundo.

No entanto, na contramão do senso comum, há quem fale que o canudinho é reciclável e que plástico não faz mal à saúde. Uma falácia das grandes! Como falamos nesse texto aqui, de todo o consumo plástico no Brasil, apenas 1% é reciclado. Ou seja, praticamente nada! E sobre o plástico não fazer mal à saúde, não precisamos nem comentar sobre esse tamanho absurdo…

De qualquer forma, além disso, tem outra questão importantíssima a ser ressaltada. Ainda que descartado corretamente, o canudo de plástico tem grandes probabilidades de escapar pelo meio do caminho por ser algo leve e pequeno. Com isso, ele será carregado pela chuva para mares e rios, impactando toda a fauna aquática. O impacto – negativo, diga-se de passagem – disso a gente já sabe, né?!

Muita atenção nas informações que você acredita!

Como já dissemos acima, há quem fale que o canudo de plástico é reciclável e, por isso, não causa tantos danos ao meio-ambiente. Com muito custo, ele pode até ser reciclado, mas acontece que falas como essas abrem margem para que empresas do ramo, cujo maior interesse é em seu próprio lucro, por mais que isso seja em detrimento do meio-ambiente, espalhem falsas verdades.

A questão que fica para você, tanto consumidor como empreendedor, que está ligado a causas ambientais e/ou que não quer levar multas por não cumprir a legislação, é: mas então, em quem acreditar? Calma que logo nós iremos te dar o bê-a-bá do que você precisa saber para tomar decisões corretas e não acreditar em falsas boatarias de quem quer lucrar acima de tudo.

Canudo de plástico biodegradável é tão ruim quanto e seu fornecimento também está proibido.

Para começar, você primeiro precisa saber sobre quais inverdades estamos citando. A maior delas – e a mais perigosa, no caso – é sobre a história de haver um canudo de plástico biodegradável. Pode ser completa ilusão acreditar nisso!

Tudo começou com o burburinho que houve em torno do canudo de plástico e, em seguida, a sua proibição na legislação de alguns municípios e estados. Ou seja, pela lei de alguns lugares, como é o caso do Estado de São Paulo, o fornecimento do tradicional canudinho nos estabelecimentos comerciais passou a ser proibido. No entanto, nada se falava sobre os canudos biodegradáveis, permitindo, então, o seu uso.

A liberação do canudo biodegradável, que passou a ser a solução ecológica do canudo de plástico, tornou-se, no fim, uma brecha para algumas empresas não tão bem intencionadas. Isso porque elas passaram a distorcer informações em prol próprio, vendendo o tal “canudo de plástico biodegradável”. Como você verá logo abaixo, tudo isso não se passa de um jogo de marketing.

Canudo de plástico biodegradável é fake news?

Pegando o gancho do título da Laguna Ambiental, canudo de plástico biodegradável é sim uma fake news! Embora existam plásticos biodegradáveis, feitos a partir de resinas de amido de mandioca, milho ou batata, que resultam em um material 100% orgânico, muitas das marcas que vendem os tais canudos não utilizam esse material para a fabricação de seus produtos. Na verdade, elas prometem tecnologias que aceleram o processo de degradação.

Está aí, parece que está tudo ok, não é mesmo?! Mas o que ninguém diz, ou melhor, contradiz é o argumento de que os plásticos biodegradáveis não são tão inofensivos assim. Vejamos juntos o porquê!

Sobremesa, Bebida, Sorvete, Bebidas, Gourmet, Canudo
Plástico oxibiodegradável não é alternativa para o material do canudo de plástico tradicional.

Aos fatos: para que o canudo de plástico “biodegradável” se desintegre, ele precisa ser feito com um material chamado plástico oxibiodegradável. Esse, por sua vez, recebe um aditivo pró-degradante e, por isso, tem sua fragmentação acelerada por influência de oxigênio, luz, temperatura e umidade, ocorrendo, então, o que muitos chamam de decomposição. No entanto, é preciso deixar claro que, embora o nome engane, um plástico oxibiodegradável não significa que ele seja biodegradável.

O plástico oxidegradável necessita do oxigênio para ser degradado, pois o processo é acelerado pela incidência da luz e do calor, enquanto que, para ser considerado biodegradável, é preciso que o plástico seja decomposto por bactérias. E, como já dissemos, o que determina a condição de oxidegradabilidade (degradação pelo oxigênio) de um plástico é a utilização de aditivos chamados de pró-degradantes. No caso dos biodegradáveis, as próprias características do material provocam sua rápida decomposição, não necessitando de nenhum elemento a mais.

No entanto, o detalhe principal que você precisa saber sobre o plástico oxidegradável é quanto à sua decomposição. Na verdade, quando um canudo de plástico deste material se desintegra, ele se fragmenta em microplásticos e, assim, continua contaminando o solo e os oceanos. Ou seja, o problema dos plásticos comum ainda permanece!

Opiniões quanto ao plástico oxidegradável

Algumas referências no assunto são críticas quanto ao uso do plástico oxidegradável , como é o caso do Francisco Graziano, ex-secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Ele, por exemplo, questiona os riscos da fragmentação do composto em partículas invisíveis a olho nu e das emissões de gases de efeito estufa associadas à degradação, além da contaminação do solo por metais e outros compostos.

Água, Mar, Areia, Plastic, Poluição, Oceano, Praia
O plástico oxidegradável não é tão eficiente quanto se diz ser.

Além dele e de outras críticas, existem também pesquisas que mostram por A + B que o plástico oxidegradável não é tão eficiente quanto se diz ser. Um exemplo de estudo que contradiz o senso comum é o artigo “DEGRADAÇÃO DE SACOLAS PLÁSTICAS CONVENCIONAIS E OXIBIODEGRADÁVEIS“, publicado pela Universidade Federal de Santa Maria. Conforme consta em seu resumo:

“Notou-se que as sacolas convencionais e oxibiodegradáveis apresentaram perda de
massa, porém ambas apresentaram comportamento similares frente às intempéries. As sacolas oxibiodegradáveis não apresentaram degradação total durante o período de estudo (12 meses).”

Ou seja, você empreendedor ou consumidor: esqueça qualquer tipo de canudo feito com plástico oxidegradável, pois, embora os nomes sejam parecidos, ele não é biodegradável e causa grandes danos à natureza!

Cuidado! Biodegradação é uma coisa e reciclagem é outra completamente diferente

Para acrescentar no seu bê-a-bá do que você precisa saber para não cair em falsas boatarias, também é fundamental saber a diferença entre um produto biodegradável e o que é um produto passível de ser reciclado. Isso mesmo! Além de ter a preocupação em não adquirir um falso canudo de plástico biodegradável, pensando que está fazendo o correto, é preciso não fazer confusão com os significados das palavras reciclagem e biodegradação para não ser enganado mais uma vez.

Garrafas De Plástico, Rede De Pesca, Rede, Garrafa
É preciso saber a diferença entre reciclagem e biodegradação para não se enganar.

Entenda o seguinte: com esse pequeno espaço dado pela lei a respeito dos canudos biodegradáveis, muitas empresas que fabricavam canudos de plástico recicláveis passaram a utilizar o termo “canudo de plástico biodegradável” por puro marketing e propósito comercial. Ou seja, elas mantiveram a mesma composição do produto, mas com um discurso diferente e mais “ecológico”. Discurso esse para inglês ver.

A grande verdade é que elas passaram a vender o famoso gato por lebre, ou seja, diziam que estavam vendendo canudos biodegradáveis, enquanto vendiam produtos que apenas eram passíveis de serem reciclados. Por isso é tão importante que você saiba distinguir o que é produto biodegradável e o que é um produto passível de ser reciclado.

Então, vamos logo aprender de vez a diferenciar uma coisa da outra! Os produtos biodegradáveis são aqueles compostos por itens orgânicos e que irão se desintegrar em pedaços menores que 2 mm em até 90 dias. Eles podem ser colocados em uma composteira, por exemplo, que é o lugar mais propício para a sua decomposição, e, dentre de três meses, terá sido pelo menos 90% desintegrado. E é isso justamente o que NÃO ocorre com o canudinho feito com polipropileno e poliestireno, pois eles não se decompõem em um curto período de tempo. (e como vimos, tampouco acontece com o plástico oxidegradável).

Reciclar, Reutilização, Reciclagem, Reciclável, Símbolo
Produto biodegradável não significa produto que pode ser reciclado.

Em contrapartida, produtos passíveis de serem reciclados são aqueles que podem se desintegrar totalmente, mas por meio de um processo transformativo. Ou seja, há a necessidade de uma intervenção para que o ciclo daquele material se encerre, não bastando colocá-lo em um ambiente propício para isso. Logo, fica mais do que claro que um produto biodegradável nada tem a ver com um produto que pode ser reciclado, não é mesmo?

Canudo de plástico biodegradável não é uma solução!

Como já aprendemos ao ler esse texto até aqui, o canudo de plástico biodegradável não é uma alternativa ao canudinho tradicional e está, inclusive, proibido em alguns lugares, como é o caso de Santos. Na cidade, o empreendedor que utilizar esse tipo de produto estará sujeito a multas que variam de R$500 a R$1 mil.

Qual seria, portanto, a solução para não utilizar mais o canudo de plástico? A primeira delas é cortar de vez esse item nos seus costumes; no entanto, há muitos que não conseguem por questão de higiene e saúde, por exemplo. Nesses casos, opções bem interessas são os canudos biodegradáveis, mas sem o “de plástico” na descrição, como é o caso dos produtos da GreenFrog. Feitos de papel 100% biodegradáveis, esses tipos de canudos são os melhores amigos da natureza!

Canudos biodegradáveis feitos de papel, por exemplo, são as melhores alternativas.

Então, você já sabe, né, nada de cair nesse papo furado de canudo de plástico biodegradável e muito menos no papo de que o canudinho tradicional pode ser reciclado. A melhor opção em prol do meio-ambiente são aqueles produtos feitos com material orgânico, 100% biodegradável. Você usa uma vez e pode dar tchau ao seu canudo em menos de 90 dias! Melhor dos mundos, não?!

Consumo de plástico no seu dia-a-dia: por quê e como reduzir?

Não há como negar: o consumo de plástico na sociedade atual está atingindo níveis alarmantes. Pra entender a dimensão do que estamos falando, olhe bem ao seu redor e analise os produtos comprados nos últimos tempos. Praticamente tudo possui ou está envolvido por muito, mas muito plástico… E pra onde tudo isso vai parar?!

O consumo do plástico é um dos maiores vilões do meio-ambiente
O consumo do plástico é um dos maiores vilões do meio-ambiente

Consumo de plástico: uma péssima escolha ao meio ambiente

Você sabia que quase todo o lixo que entope os oceanos é composto por plásticos que consumimos, como sacolas, garrafas PET, canudos e tampinhas?! E que, segundo os dados da ONU Meio Ambiente, em torno de 8 milhões de toneladas de plásticos vão parar nas águas?! Não à toa, o plástico é considerado o principal vilão da poluição marinha. Mas ele faz jus à má fama!

Pra se ter ideia, a situação é tão grave que se estima haver mais plástico do que peixes até 2050 se mantivermos o seu consumo nos níveis altíssimos de hoje em dia. Ou seja, daqui a quase trinta anos, nossos oceanos não serão como os que conhecemos. É um desastre ambiental que, provavelmente, a maioria de quem lê esse texto irá presenciar. Já parou para pensar nisso?! Pois é!

Plástico nos mares
Até 2050, estima-se que haverá mais plástico do que peixes em nossos oceanos.

Na Indonésia, por exemplo, a situação é extremamente crítica. Quem pensa no país e em suas belezas naturais, não deve sequer imaginar que ele é o segundo maior poluidor de plástico do mundo! São 1,29 milhão de toneladas de lixo é despejado pelo país no oceano todos os anos. U-hum, você leu bem: T-O-D-O-S os anos!

A dimensão do problema que o país enfrenta é tão grande que não há quem não se choque com o vídeo abaixo, gravado pelo Rich Horner. Nele, o mergulhador revela o triste cenário que encontrou na ilha de Lembongan, localizado na Indonésia. É assustador de ver a quantidade de plástico que existe em alto mar!

Consumo de plástico na Indonésia: o triste cenário da ilha de Lembongan

Ah, e é sempre bom lembrar que esse não é um problema exclusivo da Indonésia, tá?! Qualquer país, inclusive o nosso, está sujeito a essa tragédia se a quantidade do consumo do plástico não for reduzido.

E ainda tem mais!

Além da questão da poluição dos oceanos, o plástico também é prejudicial em diversos outros aspectos. Um deles tem a ver com a nossa própria saúde, você sabia? Algumas substâncias usadas na fabricação do canudo plástico, por exemplo, são cancerígenas — mesmo que sejam rotulados como “livres de BPA”, o Bisfenol A. Ou seja além de fazer mal ao meio-ambiente, também causa danos a nós mesmos!

E precisamos também entrar no mérito de sua decomposição, que demora anos e anos – mais especificamente em torno de 400 anos. Ou seja, são 4 séculos para que o plástico desapareça de vez do mundo! Se você jogar hoje um produto plástico no lixo, é capaz que ele exista até seus tataranetos envelhecerem. Chega a ser assustador, não chega?

Por fim, mas não menos importante, é sobre a reciclagem do material. De todo o consumo plástico no Brasil, apenas 1% é reciclado. Praticamente nada! Então não adianta ficar consumindo produtos com plástico pensando na reciclagem, pois apenas uma porcentagem insignificante será reaproveitada. Fica obviamente claro que o importante mesmo é tirar de vez o consumo do plástico de nossas vidas – ou, pelo menos, tentar reduzir a sua presença em nosso dia-a-dia.

Pequena porcentagem de plástico é reciclada no Brasil
Apenas 1% do plástico consumido no Brasil é reciclado. O que fazer?

Resumindo: por tudo o que já falamos, você conseguiu perceber que a questão do consumo do plástico é realmente um fator preocupante, certo? Pois então, você deve estar se perguntando: “e agora?! O que fazer para diminuir esse vilão do meio-ambiente da minha vida?!” Calma que a gente te conta!

Como reduzir o plástico em nosso dia-a-dia?!

Seja nas embalagens dos produtos que você compra, seja no canudo ou nos talheres descartáveis, seja na sacola plástica do supermercado, seja até mesmo no cotonete: o plástico está, definitivamente, em todo lugar! Então, fica a pergunta: como combater esse mal?

O grande primeiro passo para diminuir é tomar consciência de onde ele vem no seu dia-a-dia. Questione onde é possível reduzir o consumo de plástico na sua rotina. É trocando a sacola plástica por uma ecobag ou dispensando o canudo nos restaurantes se ele não for biodegradável?! Ou, quem sabe, é usando cotonetes com haste de papelão?! As possibilidades são inúmeras!

Repare que esses exemplos são pequenas mudanças que não impactam diretamente no seu estilo de vida, mas que já é de grande valia ao meio-ambiente! Aos poucos, você vai se tornando mais observador e crítico e, com certeza, passará a fazer melhores escolhas que envolvem o consumo de plástico.

Reduzir o consumo de plástico
É possível reduzir o consumo de plástico em nosso dia-a-dia com pequenas mudanças.

Se você sabe por onde começar, fique tranquilo! Pra te facilitar a vida no começo dessa caminhada de conscientização quanto ao consumo de plástico, listamos 5 dicas para serem colocadas em prática hoje mesmo. Bora lá?!

1) Tchau, tchau canudos de plástico

Canudo de plástico é a coisa mais simples de se tirar. Diversas empresas, preocupadas com a questão ambiental, vêm trazendo essa alternativa, como é o caso da GreenFrog, que fornece canudos biodegradáveis. Ou seja, você nem precisa tirar o costume de usar canudo na sua vida, basta fazer a troca por um produto que será decomposto em pouquíssimos meses – e não em 400 anos, como é o caso do plástico.

2) Cancele as sacolas plásticas da sua vida

Outro item completamente dispensável na nossa vida é a sacola plástica. Adquira uma ecobag que você goste ou um carrinho de feira e fale não convicto quando for às compras. Não deixe o feirante te convencer a levar os legumes em sacos plásticos, hein?

Ecobag ou carrinho de feira ao fazer compras
Leve sempre com você sua ecobag ou carrinho de feira ao fazer compras

3) Torne o seu banheiro mais sustentável

Já reparou que o consumo do plástico está inclusive nos pequenos detalhes? Dois exemplos, inclusive, estão no seu banheiro: a escova de dente e o cotonete. Pois é! Então, que tal trocar a escova plástica por uma de bambu, que é biodegradável, e o cotonete por um que seja feito de papelão?! O bolso não pesa com essa pequena mudança e o mundo agradece!

4) Compre a granel

Esse talvez não seja a dica mais fácil de todas, mas, com certeza, é uma ótima tanto para o meio-ambiente como para as suas finanças. Comprar a granel, além de ser mais barato, faz com que você deixe de consumir produtos embalados com plástico. Bem simples assim!

5) Leve contigo o seu kit zero lixo

Tem refeições fora de casa e/ou acaba quase que sempre pedindo marmita? Então que tal adquirir um kit zero lixo, com copo reutilizável, talheres, canudos e até guardanapo de pano? Além de reduzir o lixo em geral, reduzirá também o consumo de plástico consideravelmente. E o melhor: há diversas empresas que fabricam estojos com esses itens em tamanhos bem ok para serem levados contigo para qualquer lugar. Bacana, não?!

Garrafas térmicas também são ótimas opções para serem levadas com você

E aí, as 5 dicas foram dadas e já está mais do que na hora de tentarmos ao máximo reduzir o consumo de plástico, não é mesmo?! Então, que tal começar já e fazer do nosso mundo um lugar mais positivo para o meio-ambiente? Suas próximas gerações agradecem!

Upcycling: inserindo o conceito no seu estilo de vida

Você já escutou falar em Upcycling?! Se não, saiba que o conceito está cada vez mais em alta à medida que as pessoas têm maior preocupação com o seu ato de consumo. Nesse texto, iremos falar um pouco sobre o que se trata, deixando você por dentro do assunto – e, o melhor, aplicando o upcycling no seu estilo de vida! 

Upcyclin: o que é esse termo e como ele pode ser inserido no seu dia-a-dia

Mas então, o que é Upcycling?

Em uma sociedade cada vez mais preocupada com a sustentabilidade e com o futuro das próximas gerações, o questionamento quanto às nossas ações torna-se extremamente necessário. Qual o mundo que deixaremos para os nossos filhos?!

Pensando nisso, novos conceitos vêm surgindo à medida que se muda o comportamento humano. Sustentabilidade, economia criativa, consumo consciente são alguns exemplos de termos e expressões que foram pouco a pouco sendo adicionados em nosso vocabulário.  Dentre eles, o conceito de Upcycling.

Diretamente relacionamento com o nosso modo de consumir, Upcycling refere-se ao processo de criar algo novo a partir de itens antigos, usando de materiais já existentes para melhorar os originais. Ou seja, é a reutilização de um material que, ao invés de se tornar lixo, ganha uma vida extra ao ser melhorado.

Upcycling é o processo de criar algo novo a partir de itens antigo

Por exemplo, sabe aquela sua roupa velha, que está a um passo de ser jogada fora, já que você não a usa de jeito nenhum? Pois então, ela pode se tornar a peça da vez com pequenas mudanças que você mesmo pode fazer, como alguns recortes e/ou aplicações. Pronto – aí está o Upcycling!

A roupa, que seria descartada num futuro breve, transformou-se em algo novo e utilizável por muito mais tempo. E você, além de deixar de gastar e de deixar lixo para o mundo, ganhou uma peça nova a partir do antigo. Incrível, não?!

Aliás, cuidado quando se referir ao termo Upcycling! Ele não significa reciclar, mas sim recriar! Ou seja, não estamos falando em destruir totalmente a estrutura do item antigo e, a partir do material que restou, criar um item novo, mas sim no processo que transforma materiais usados em produtos diferentes, mantendo a sua essência. No caso da roupa do exemplo acima, ela continua tendo a sua carinha, mas com um toque (ou uso) especial.

Para deixar mais fácil o entendimento, pensemos no papel reciclado. Para se chegar nesse produto, foi necessário resgatar papéis usados que seriam descartados, destruí-los e, por meio de um processo produtivo, criar novos papéis com o material que restou. Isso é reciclagem.

Origami e Upcycling: conceitos que podem têm tudo a ver

No caso do Upcycling, o que norteia o conceito é o ato de recriar. Ou seja, criar novas peças, que podem ter ou não a finalidade do item original, mas sem haver a destruição ou a descaracterização do antigo.

Continuando com o exemplo do papel, o Upcycling não criaria papéis novos reciclados, mas sim novos itens a partir do material já usado, como um origami. Ou seja, a partir de um item antigo, tem-se algo novo, mas sem que houvesse qualquer tipo de descaracterização para isso.

Quais são os seus benefícios do Upcycling?

A lista dos benefícios do Upcycling é gigante. Desde a economia financeira do seu bolso até os cuidados quanto ao meio-ambiente e à sociedade, é inquestionável que a prática desse processo só tem pontos positivos. Alguns deles estão listados abaixo. Quer ver?!

  • evita o excesso de gastos, uma vez que você passa a reaproveitar o que já tem e deixa de consumir de maneira desenfreada
  • evita o excesso de geração de lixo e de poluentes, tornando a cadeia produtiva muito mais sustentável
  • torna peças antigas em algo único e exclusivo, criando novas histórias e memórias
  • permite que sua imaginação e criatividade alcancem voos longos ao recriar novas peças a partir do antigo, podendo tornar a prática do Upcycling até em algo terapêutico
Upcycling é também como a leiteira, que perde sua função original, mas passa a ter outra finalidade.

Além desses de benefícios, há outros bacanas também, como, por exemplo, proporcionar vida longa ao couro. Já parou para pensar que, para existir o couro, houve uma vida antes? E que, para a existência dessa vida, houve desmatamento para criação do pasto e para a fabricação de ração?

E que, para se ter o couro, houve o processo de curtimento, o qual produz um chorume de produtos tóxicos que está, ao mesmo tempo, matando o meio ambiente e as pessoas que trabalham na área? Pois é, a lista de benefícios do Upcycling só nesse exemplo é longuíssima… mas não acaba por aí!

Vamos pensar também nas fast fashion… Sabia que, a cada vez que você compra uma blusinha de vinte reais, você está de maneira indireta (ou direta mesmo) incentivando a mão-de-obra escrava? Pois é!

Questionamento das Fast Fashion e a importância do Upcycling

Problemas de fiscalização do trabalho que existiram com marcas como a Zara estão aí para não deixar ninguém se enganar. Além disso, uma blusa num valor tão pequeno assim, provavelmente foi feito com material de baixíssima qualidade, não possuindo nenhuma durabilidade.

Então, em vez de gastar 20 reais em blusinhas que mal aguentarão alguns aninhos de uso, que tal questionar e repensar o consumo?! Uma alternativa para se ter peças novas é justamente utilizar-se do conceito de Upcycling e customizar as suas peças antigas. Além de deixar de gastar o seu suado dinheiro em algo que não valerá a pena, você terá um item único e exclusivo, carregado de memórias. Já parou para pensar nisso?

E como aplicar o conceito no seu estilo de vida?

Aplicar o conceito de Upcycling no seu estilo de vida é simples, mas exige que você saia um pouco da sua zona de conforto. Já demos o exemplo da customização das roupas, mas é possível ir além.

Utilizar garrafas de vidro como vasos para arranjos de flores ou garrafas pet como jardineiras, a lista é infindável. Deixe a sua imaginação fluir, use e abuse de sua criatividade, coloque a mão na massa e crie recriando. Uma vez que você fizer isso, o Upcycling nunca mais sairá da sua vida.

Mas se a criatividade não for o seu forte, take it easy! Há diversas marcas que se utilizam do conceito como propósito de valor. No entanto, saiba que é necessário desembolsar um pouco além do que está acostumado, uma vez que a produção de produtos Upcycling exige mais tempo e oferece um número reduzido de peças. Para se recordar: é muito provável que você estará levando um item único e exclusivo!

Criatividade: o item essencial para o conceito de Upcycling

E aí, animado para inserir o conceito de Upcycling no seu estilo de vida? Tenha certeza que você estará fazendo ótimas escolhas em termos sustentáveis, tanto para o meio ambiente como para o seu bolso! Então, vida longa aos nossos produtos!