Cisterna: usando a água da chuva em seu favor e do meio-ambiente

Em quase todos os verões, há sempre problemas relacionados com o excesso de chuva, que deixam cidades debaixo da água. Depois, no inverno, há problemas relacionados justamente com o escassez de água, pois não se chove mais. Então, por que não captar a água da chuva para nos prevenir na época da seca, não é mesmo?! Pode parecer até óbvio, mas muita gente negligencia isso. Mas não mais você! Conheça agora o que é cisterna e como ele pode utilizar a água da chuva em seu favor e do meio-ambiente.

Chuva, Tempo Chuvoso, Mau Tempo, Porto, Molhado, Rua
Entenda o que é cisterna e como ele pode utilizar a água da chuva em seu favor e do meio-ambiente.

O que é cisterna?!

Para quem não sabe, cisterna nada mais é do que um depósito ou reservatório que serve para captar, armazenar e conservar a água, podendo ser da água potável, água da chuva ou água de reúso. Por isso, tendo em vista as diversas finalidades, existem vários tipos de cisternas, dentre elas a compacta, usada por casas e edifícios com menos espaço ou que não tem interesse em fazer reformas – que pode muito bem ser o seu caso.

Independentemente do modelo de cisterna, é inegável a sua importância para a economia da água – tanto em termos ecológicos, como financeiros. Isso porque dados afirmam que o utensílio possibilita economizar até 50% no valor da conta da água, já que viabiliza o aproveitamento tanto do recurso proveniente da chuva quanto de banhos, máquinas de lavar roupa e lavatórios de banheiro. Ou seja, não há quem consiga negar que a cisterna é um super aliado do meio-ambiente.

Mãos, Macro, Natureza, Outdoor, Planta, Chuva, Solo
A cisterna possibilita a economia de até 50% no valor da conta da água, pois aproveita tanto o recurso proveniente da chuva quanto de banhos, máquinas de lavar roupa e lavatórios de banheiro.

Parece óbvio, mas é importante reforçar: economizar água é um hábito muito importante, pois ajuda a prevenir as cada vez mais frequentes crises hídricas e ainda poupa os recursos naturais. Por isso, ao usar uma cisterna para coletar a água da chuva, por exemplo, é possível utilizá-la para limpar o quintal, regar plantas ou dar descarga, sem a necessidade de usar a água potável para isso. Desse modo, você alivia a pressão sobre os mananciais, já que ajuda a diminuir a demanda pelos recursos necessários para o tratamento da água.

Como realizar a captação da chuva?!

Como é de se imaginar, não basta criar um reservatório de qualquer jeito para captar a água da chuva. Se não tomar os devidos cuidados, você pode, inclusive, estar criando um verdadeiro criadouro de mosquitos da dengue e outros insetos – já parou para pensar nisso?! Por isso mesmo, a captação da água precisa ser feita de forma segura.

Tanto os modelos de alvenaria quando os de fibra ou plástico garantem conforto e segurança para você. Por demandar obras e, por conseguinte, custar mais, a cisterna de alvenaria acaba sendo desnecessária para o uso doméstico, o que faz dos outros modelos melhores opções. Dentre eles, há as minicisternas da Casológica, da Tecnotri e da Waterbox, todas comercializadas na Loja eCycle. Além de serem de fácil instalação, elas garantem as mesmas funcionalidades de uma cisterna maior, sem ocupar muito espaço. 

Edifícios, Gotículas, Gotas, Vidro, Poste, Líquido
A água recolhida pela cisterna proveniente da chuva é não potável, pois pode conter substâncias de não consumo humano. Todavia, maior parte das atividades que envolvem água não precisa que ela seja potável.

Ah, e não se esqueça: por ter origem pluvial, a água coletada não é considerada potável, não sendo adequada para consumo humano, pois pode conter poeira, fuligem, sulfato, amônio, nitrato e entre outras substâncias. Contudo, para limpar pisos, quintais, calçadas, irrigar plantas, jardins e dar descargas, a água não precisa ser potável.

Como funciona a minicisterna?!

Vamos supor que você vá investir em uma minicisterna, tendo em vista que ela será utilizada para o uso doméstico, não havendo necessidade de adquirir uma grande de alvenaria. Pois bem, então a pergunta que fica é: como ela funciona?! É justamente sobre isso que falaremos agora!

Guarda Chuva, Noite, Chuva, Escuro, Urbanas, Cidade
Ao adquirir uma minicisterna, você estará utilizando a água da chuva para fazer atividades domésticas, economizando, assim, um bom dinheiro – além de estar fazendo um bem enorme ao meio-ambiente.

No caso de uma minicisterna, ela será acoplada diretamente nas calhas. Quando chover, a água captada será levada pelas calhas até a um filtro, em que as impurezas, como folhas ou pedaços de galhos, serão eliminadas. Além disso, alguns modelos possuem um separador da primeira água da chuva, que pode conter, por exemplo, sujeiras do telhado. E pronto! A água será toda armazenada no reservatório, que deve conter, além de uma torneira em sua parte inferior para facilitar a utilização e limpeza, um extravador (sempre com uma tela do tipo mosquiteiro) para que escoe todo o excesso. Nesse caso, ele pode até estar conectado com uma segunda cisterna e por aí vai ad infinitum, se for o caso…

Uma observação importante é que, quando for escolher sua minicisterna, é interessante também optar por modelos que possam ser acoplados justamente no extravador acima mencionado. Isso porque lhe dará a oportunidade de, caso você queira ou precise, aumentar a sua capacidade de armazenamento da água da chuva. Por fim, nunca se esqueça de que cada litro de água pesa um quilo, de modo que o local onde você for colocar sua cisterna deve aguentar o peso dela cheia.

Depois da cisterna já instalada, aí é só alegria! Você estará com a sua consciência ambiental, assim como o seu bolso, feliz, pois sabe que poupar água é uma atividade ecologicamente amigável e que, além disso, reduz consideralvemente os seus gastos.

Chuva, Gotas, Gotejamento, Chuveiro, Cena, Molhado
A cisterna é uma ação simples e sustentável que pode trazer grandes mudanças para toda sociedade e, principalmente, para o meio-ambiente.

E aí, você se convenceu em ter uma cisterna em casa, tendo em vista que ela é uma excelente solução no combate a escassez de água?! Como pode perceber, o reservatório é uma ação simples e sustentável que pode trazer grandes mudanças para toda sociedade e, principalmente, para o meio-ambiente. Portanto, não fique de fora e faça parte deste movimento em prol do uso consciente da água.

Ecofelicidade: o equilíbrio entre você, o outro e a natureza

Você já parou para refletir o que é felicidade para você?! Se não, faça esse interessante exercício e perceba que o conceito varia de pessoa para pessoa. Para uns, a felicidade é o fim; para outros, o caminho. Para alguns, é a solitude, enquanto que, para outros, é a comunhão. Uns se contentam com menos; outros, com mais. E por aí vai… A grande verdade é que estamos constantemente em busca da tal felicidade, mas são poucos que sabem dizer como atingi-la em sua plenitude. De qualquer forma, atualmente existe um termo que está aí para trazer uma nova percepção do tema: a ecofelicidade. E aí, pronto para descobrir uma nova abordagem sobre o assunto?!

Par, Séniores, Pensionistas, Idade, Silhueta
Ecofelicidade: um novo olhar sobre o conceito da felicidade.

Ecofelicidade: um novo conceito relacionado à felicidade em comunhão com a sustentabilidade

Como deu para perceber na nossa introdução, o conceito de felicidade é algo relativo. Todavia, conforme a ecofelicidade, existem três pontos de equilíbrio perfeitamente possíveis de serem alcançados e que vão aumentar o potencial individual de bem-estar, paz interior e felicidade. São eles:

  • Equilíbrio nas relações que estabelecemos com o nosso eu interior;
  • Equilíbrio nas variadas relações que exercemos, diariamente, com o outro; e
  • Equilíbrio nas relações que estabelecemos com o ambiente em que estamos inseridos e garante a sobrevida humana.

Segundo afirma Alfredo Cordella, presidente da ONG Rede Cidadania e criadora do termo ecofelicidade, o sentido do prefixo eco tem raízes lá atrás, quando ecologia passou a ser entendido como a ciência das relações que estalecemos com a nossa casa. A partir daí, juntou o entendimento de felicidade, que, para a ONG, é conquistada por meio do equilíbrio, formando, então, a ecofelicidade.

Pessoas, Mulher, Viagens, Aventura, Caminhada, Montanha
Conforme a ecofelicidade, existem três pontos de equilíbrio perfeitamente possíveis de serem alcançados e que vão aumentar o potencial individual de bem-estar, paz interior e felicidade.

O conceito é tão recente que em novembro de 2019, tendo em vista dar mais holofote ao assunto, a ONG lançou o movimento Ecofelicidade e organizou o primeiro congresso sobre o tema na cidade de Santos. Dentre as atividades realizadas no evento, houve a conferência sobre “A neurociência e a compreensão dos estados de felicidade”, além de uma mesa de debates com o tema “A sacralização do meio ambiente: uma estratégia de sobrevivência”, que busca estimular uma reflexão sobre a importância de considerarmos o nosso meio ambiente como um espaço sagrado.

Os três pontos de equilíbrio da ecofelicidade

No nosso texto sobre minimalismo, nós refletimos sobre a felicidade, questionando se o excesso de consumo realmente te faz feliz e satisfeito. De certo modo, a ecofelicidade está alinhada com este conceito, mas ela vai ainda além. Para a sua melhor compreensão, vamos debruçar mais a respeito sobre os seus três pontos de equilíbrio.

1. Equilíbrio consigo mesmo

Também chamado de equilíbrio interior, esse ponto da ecofelicidade diz respeito ao autoconhecimento. Como ser verdadeiramente feliz se você sequer se conhece?! Ou sequer se observa e sabe quais são suas angústias e anseios?! Pois é, parece um pouco improvável atingir a felicidade sem saber responder essas questões… Aliás, pessoas que perdem esse equilíbrio consigo mesmo acabam perdendo na mesma proporção o valor que dão à vida. Já parou para pensar nisso?!

Meditação, Budismo, Monge, Templo, Panorama, Budista
No Butão, o país mais feliz do mundo, o bem-estar da sua população está acima de suas questões financeiras.

Conhecer a si mesmo e saber o que realmente deseja é um grande passo para nosso desenvolvimento enquanto seres humanos. Estar em contato com o corpo, a saúde e a vida de forma leve, prazerosa e despida de pré-julgamentos, máscaras e padrões sociais, é um dos principais fatores que nos fazem atingir de fato a felicidade. Não à toa, o Butão é considerado o país mais feliz do mundo justamente porque o bem-estar da sua população está acima do próprio dinheiro, havendo, inclusive, um novo elemento na sua economia, a Felicidade Interna Bruta.

2. Equilíbrio com o outro

Nesse ponto da ecofelicidade, afirma que bons relacionamentos colaboram para fazer com que as pessoas sejam mais felizes. Mas não só isso! Questões como empatia, sororidade, gratidão, respeito e tolerância são extremamente importantes na construção desse relacionamento com o outro, mas que, muitas vezes, são esquecidas e deixadas de lado.

Aperto De Mão, Oi, Amizade, Mãos, Crianças
Questões como empatia, sororidade, gratidão, respeito e tolerância são extremamente importantes na construção do relacionamento com o outro.

Importante ressaltar que a comunicação é o principal meio para se resolver conflitos e conectar as pessoas de forma mais empática, autêntica e compassiva. Por meio da conversa e da escuta ativa, são estabelecidos vínculos de confiança com as relações a nossa volta, seja de amizade, de família ou amorosa. Só assim serão estabelecidos relações de profundidade com as pessoas, o que é justamente um dos pontos de equilíbrio da ecofelicidade.

3. Equilíbrio com o meio

Por fim, mas não menos importante, a ecofelicidade aborda a questão do equilíbrio com o meio, pois todas essas relações têm como cenário o ambiente onde estamos inseridos. Aliás, é justamente aqui que vem o prefixo eco, o qual, como já falamos acima, refere-se à ecologia, que nada mais é do que a ciência das relações que estalecemos com a nossa casa – ou meio, por que não?! Então, no caso deste equilíbrio sobre o qual estamos falando, diz respeito ao buscar a harmonia do viver em sintonia com a natureza de maneira ecológica.

Segundo a ONG Rede de Cidadania, que começou com o movimento da ecofelicidade, a ideia está baseada no fato de que o desequilíbrio com o meio-ambiente nasce, na verdade, no desequilíbrio com o eu interior. Por exemplo, temos a questão do lixo, que sabemos que um de seus principais responsáveis é o excesso de consumo. E o porquê do consumir demasiadamente?! Muitas vezes, é para preencher um vazio interno que, se buscassem de fato o equilíbrio consigo mesmo, poderia ser resolvido de uma maneira mais saudável tanto para as pessoas como para o meio-ambiente.

Mountain Lake, Pessoa, À Procura, Vista, Planalto, Água
Um dos pontos do equilíbrio da ecofelicidade é justamente com o meio em que estamos inseridos. É fundamental buscar viver em harmonia com o todo.

E você, qual é sua relação referente a esses três pontos de equilíbrio citados acima?! Considera-se equilibrado?! Se sim, então parabéns, pois você sabe o que é na pele o conceito de ecofelicidade!

Carnaval sustentável: como cair na folia sem ônus para o mundo

Passada a virada de ano, todo mundo começa a se voltar para o carnaval. Fecham viagens, começam a ir em bloquinhos, separam as fantasias e as maquiagens. É tempo de festa e de muita alegria! No entanto, o que poucos param para refletir é sobre os impactos negativos que essas festividades podem causar ao meio-ambiente. Por isso, se você é um folião consciente, veja esse nosso texto sobre como passar um carnaval sustentável.

Flâmula, Carnaval, Colorido, Cor, Plano De Fundo
Quer ter um carnaval sustentável?! Então leia o nosso texto e descubra como isso é possível!

Os impactos dos carnavais ao meio-ambiente

Que o carnaval é uma delícia, isso ninguém pode negar. Parece que todo mundo fica mais feliz nessa época do ano e se joga na rua a fim de muita diversão. Diversão essa, todavia, que muitas vezes sai às custas do meio-ambiente. Pois é! Essa é a realidade nua e crua e precisamos falar mais a respeito.

Esse momento tão festivo na vida da maioria dos brasileiros é, na verdade, um prejuízo à natureza. Desde lixos e mais lixos jogados nas ruas até o glitter que pode lhe parecer inocente, porém não é, a questão é que são poucos os foliões que têm essa consciência e que passam um carnaval sustentável. Infelizmente, a grande maioria pouco ou sequer reflete sobre o assunto.

Celebração, Pessoas, Menina, Clube, Festival, Retrato
Poucos foliões são consciente quanto aos impactos do carnaval. Seja um deles!

Para você entender de vez a gravidade do que estamos falando, é estimado que o volume de lixo gerado no Litoral durante o Carnaval pode ser cinco vezes maior do que o normal, podendo chegar a até sete vezes ou mais. Ou seja, o problema é muito maior do que a gente consegue imaginar. Pensando em exemplificar um pouco, listamos apenas 3 tópicos para gerar uma reflexão sobre as causas e consequências decorrentes desses dias festivos. Bora ver?!

  • Lixo: é inevitável a enorme quantidade de lixo gerada e, o pior, jogada na rua. Os garis fazem o que podem no seu trabalho, mas é importante ressaltar que nem todo lixo é recolhido e que muitas vezes podem cair em bueiros. A consequência disso a gente já sabe, né?! Entupimento e, posteriormente, alagamento, causando transtorno não somente à natureza, como também para toda a população.
  • Bituca de cigarro: está relacionada ao lixo, mas é importante ressaltar porque, muitas vezes, as pessoas não têm consciência da problematização que é jogar as bitucas de cigarro nas ruas. Os ônus para a natureza seguem os mesmos citados acima, com a diferença que aqui pode parecer “menos” grave aos olhos das pessoas, o que é completamente equivocado e errado.
  • Glitter: glitter é sinônimo de carnaval, né?! Não se você quiser passar um carnaval sustentável. Ele são microplásticos e, por isso, demoram séculos para se decomporem. Como não é possível recolhê-los, eles serão carregados pela chuva para mares e rios, impactando toda a fauna aquática. Aí é prejuízo após prejuízo para a natureza. Para entender mais sobre o assunto, recomendamos que leia esse nosso texto sobre os plásticos.
Carnaval, Celebração, Estrada, Yverdon, Vaud, Suíça
O glitter pode até parecer inofensivo, mas ele é um dos piores inimigos de um carnaval sustentável.

E por aí vai… a grande verdade é que a lista de impactos negativos dessa festividade ao meio-ambiente é gigante e não caberia em apenas um texto falarmos sobre todos eles. Por isso, vamos focar no que você pode fazer: passar um carnaval sustentável e fazer sua parte! Pronto para saber mais?!

Carnaval sustentável: dicas para cair na folia de maneira consciente e ecológica

Se leu até aqui e entendeu que é mais do que necessário pensar na natureza ao cair na folia e, por isso, quer algumas dicas de como passar um carnaval sustentável, então você está no lugar certo! Logo abaixo, há alguns toques que farão você ficar de bem com o meio-ambiente durante sua vida de folião. Não esqueça de anotar todos eles e caia na folia sem peso na consciência!

1) Produza menos lixo

Aqui no nosso blog, nós não cansamos de falar o quão importante é reduzir os resíduos gerados. Há, inclusive, diversos textos falando sobre o assunto, mas talvez seja mais que fundamental que você leia o nosso artigo de como sair sem produzir lixo. Ele será um super mão-na-roda para você passar um carnaval sustentável e lá contém todas as dicas essenciais. É praticamente um guia de sobrevivência na rua! Mas, só para reforçar um aspecto importante: tenha sempre um kit com copos reutilizáveis e canudos não de plástico para as emergências. Com certeza, haverá momentos em que você vai eternamente se agradecer por isso!

Ambientalmente Amigável, Palha, Palhetas, Bebidas
Uma alternativa para os canudos de plástico são os biodegradáveis, como os vendidos pela GreenFrog.

2) Opte sempre pelos alumínios

Na nossa publicação que citamos acima, essa dica já foi dada, mas é importante ressaltar: opte sempre pelos industrializados de embalagem de alumínio, como cerveja e refrigerante em lata. Isso porque mais de 95% desse material é reciclado no Brasil, sendo o nosso país o maior reciclador de alumínio do mundo. Ou seja, quando opta pelas latinhas, sai todo mundo ganhando: você, o meio-ambiente e o catador, que é o principal responsável por essa alta porcentagem de reciclagem (mas não entraremos no mérito que isso não é escolha, mas sim uma condição social, tá?!)!

3) Esqueça o glitter tradicional e opte pelo comestível

Sabe aqueles bolos e doces super brilhosos?! Pois é, eles são feitos com pó de decoração de confeiteiro, que nada mais é do que um glitter comestível. Ele é uma ótima alternativa para quem quer ter um carnaval sustentável para chamar de seu porque não faz mal ao meio-ambiente por ser biodegradável, o que é muito diferente daquele glitter tradicional, um dos grandes vilões dessas festas. Ou seja, você pode sim brilhar muito e ainda estar de bem com a natureza!

4) Compre sua fantasia em brechós ou as alugue

Fantasia de carnaval é um item quase que dispensável no armário, sendo utilizado praticamente para apenas para esse único momento do ano. E aí que você quer mudar seu look a cada carnaval, consumindo mais e mais roupas e acessórios que serão pouquíssimos utilizados posteriormente. Então, que tal investir um tempo procurando sua fantasia ideal em brechós ou em lojas de aluguel? Consumir menos tem tudo a ver com um carnaval sustentável!

Mulher Cigana, Carnaval, Pessoas, Vestir, Traje
Não compre fantasia e use criatividade para montar seu look criado pelas roupas de brechó.

E fim! É fácil ter um carnaval sustentável sem afetar a sua diversão, não é mesmo?! Então, não se esqueça: reduza o lixo (e tenha sempre um kit de emergência), opte pelas latinhas, use glitter biodegradável e não compre novas fantasias. E aí, será que você tem mais dicas para nos dar?! Se sim, então comente embaixo! Até mais!

Ativistas do meio-ambiente: 5 pessoas que estão mudando o mundo para melhor

Falar hoje em sustentabilidade parece até ser clichê, não é mesmo?! De repente, de uma hora para outra, pessoas estão opinando sobre as questões que envolvem o tema, como foi o caso do aumento das queimadas da Amazônia que ocorreu em 2019. No entanto, como diria o ditado popular, “falar todo mundo fala”. A questão é: quem realmente está fazendo algo para deixar um mundo melhor para nós e para as gerações futuras? Pois é, eis a questão! Então, pensando nisso, selecionamos 5 ativistas do meio-ambiente que estão, de fato, agindo em prol do planeta.

1. Boyan Slat

Um dos ativistas do meio-ambiente mais famoso dentre todos é o holandês Boyan Slat, que, com apenas 18 anos de idade, criou a empresa The Ocean Cleanup, cujo objetivo era recuperar as águas do oceano em apenas cinco anos. Para isso, o jovem desenvolveu uma máquina capaz de limpar todo o plástico dos mares, que já se acumula mais de 7 milhões de toneladas do material, dentro desse período. Parece algo improvável criar um mecanismo desse tipo, né? Mas Boyan conseguiu, por incrível que pareça!

Resultado de imagem para Boyan Slat
O jovem holandês Boyan Slat criou a empresa The Ocean Cleanup, cujo objetivo é limpar os 7 milhões de toneladas de plástico do oceano num período de apenas cinco anos.

Para se ter ideia da dimensão do problema que Boyan Slat quer enfrentar, a Organização das Nações Unidas (ONU) diz que 80% de todo o lixo marinho é formado por plásticoPara piorar, até 2050, afirma o órgão, a quantidade de plástico vai superar a de peixes. No entanto, essas informações não desestimularam o jovem ativista, que acabou criar um sistema para interceptar plástico dos rios, o The Interceptor. Diferentemente do projeto anterior, a ideia do novo mecanismo é interceptar o plástico antes mesmo de que ele chegue aos oceanos. Com isso, o trabalho de limpeza seria reduzido significativamente. Genial, não?!

2. Danielle Fong

Outro nome de destaque dentre os ativistas do meio-ambiente é o da Danielle Fong. Cientista e empreendedora canadense, ela é co-fundadora e cientista chefe da LightSail Energy, uma startup fundada em 2008 de tecnologia de armazenamento de energia de ar comprimido localizada em Berkeley, Califórnia. Com isso, haveria um armazenamento barato e abundante de energia, que pode mudar a natureza da rede elétrica e transformar a energia eólica e solar intermitente em energia de base.

Resultado de imagem para Danielle Fong
Danielle Fong é co-fundadora e cientista chefe da LightSail Energy, uma startup fundada em 2008 e que já recebeu investimentos financeiros de figuras como Peter Thiel, Bill Gates e Vinod Khosla.

A ideia atriu tanto os bilionários interessados pelo tema da sustentabilidade que, em fevereiro de 2016, a LightSail havia levantado aproximadamente US$ 70 milhões, havendo em seu rol de investidores personalidades como Peter Thiel, Bill Gates e Vinod Khosla.

3. Vanessa Nakate

Nascida em 1996, a jovem Vanessa Nakaté é uma ativista de Uganda que ficou internacionalmente conhecida depois de sentir o racismo na pele ao ter sido cortada em uma foto publicada pela agência de notícias Associated Press que reunia ela junta de outras ativistas (brancas, no caso) durante atividade no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Uma pena, pois esse caso acabou sendo maior do que seu trabalho em prol do meio-ambiente.

Resultado de imagem para Vanessa Nakate
Uma das ativistas do meio-ambiente, Vanessa Nakate tornou-se a primeira jovem a organizar as chamadas greves pelo clima em Uganda, chegando a participar de eventos importante sobre o tema.

Pois bem, mas vamos dar destaque ao que interessa, não é mesmo? Aos 22 anos, Vanessa Nakate tornou-se a primeira jovem a organizar as chamadas greves pelo clima em Uganda, em janeiro de 2019, inspirada pelo movimento iniciado um ano antes por Greta Thunberg. A partir de então, a ativista atraiu outros jovens para os protestos e fundou o The Rise Up Movement, rede de movimentos de jovens que pede ação climática em países da África. Ao ganhar evidência, participou da COP-25, conferência do clima na Espanha, em 2019, e do Fórum Econômico Mundial, no início de 2020.

4. Steph Gabriel

Steph Gabriel é uma ativista, empresária e cientista marinha, que, em 2014, fundou a OceanZen, uma empresa que vende roupas de banho feitas de garrafas plásticas e redes de pesca deixadas no oceano. Com o lema “salvar o oceano, um biquíni ao mesmo tempo”, sua abordagem ecológica dos negócios incentiva as pessoas a pensarem sobre o uso do plástico e o futuro do planeta.

Resultado de imagem para steph gabriel
Steph Gabriel uniu sua paixão pela moda e seu conhecimento científico sobre a vida marinha para criar a marca OceanZen, cujos produtos são feitos com garrafas plásticas e redes de pesca deixadas no oceano.

A ideia da empresa de moda sustentável surgiu depois da Steph Gabriel morar nas Ilhas Cayman e trabalhar com arraias selvagens. A partir daí, ela começou a aprender sobre os impactos humanos no oceano, principalmente no que diz respeito aos plásticos descartados nos mares e como eles prejudicavam a vida marítima. Foi justamente nesse momento em que nasceu a OceanZen, cuja sede está na Austrália. Para quem se interessou pelos seus produtos, a boa notícia é que é possível comprá-los ​​de qualquer parte do mundo, pois eles são enviados globalmente!

5. Leonardo Miranda

O único brasileiro da nossa lista se chama Leonardo Miranda. O jovem com pouco mais de trinta anos, nascido na cidade de Botucatu, interior de São Paulo, mas atualmente morando no Rio de Janeiro, é um dos co-fundadores do projeto Bullying Do Bem, criado em dezembro de 2018, cujo principal objetivo é retirar os lixos acumulados nas praias cariocas.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, noite
Leonardo Miranda é um dos co-fundadores do projeto Bullying Do Bem, cujo principal objetivo é retirar os lixos acumulados nas praias cariocas.

O instagram do projeto conta atualmente com pouco mais de 5.000 seguidores, que estão engajados nas chamadas dos multirões da limpeza. Com a filosofia de que 1 > 0, o Bullying do Bem também ampliou as suas ações, levando comida a moradores de rua, recolhendo livros para doar e dentre tantas outras coisas. A causa é tão grande que já moveu inclusive artistas, como é o caso da atriz Isabella Santoni.

Não deixe de comentar sobre os ativistas do meio-ambiente

O nosso texto chegou ao fim, mas não deixem de comentar sobre os ativistas do meio-ambiente. Além disso, também deixem indicações de nomes de outras pessoas que estão deixando um mundo melhor para todos. Quem sabe assim, nós ficaremos cada vez mais inspirados a lutar por um planeta mais sustentável, não é mesmo?!

Moda sustentável: é possível ser fashion e ainda ser amigo da natureza

Um das indústrias que mais causam impactos socioambientais é, sem sombra de dúvidas, a da moda. Desde o consumismo exacerbado estimulado pelas tendências até os problemas que envolvem as polêmicas da mão-de-obra escrava das fast fashion, a verdade é que esta indústria provoca diversos ônus tanto ao meio-ambiente como para à sociedade no geral. No entanto, não há como negar que a vestimenta é uma questão importante para diversas pessoas, já que é por meio das roupas que elas transparecem sua personalidade. Se você faz parte desse grupo, está tudo bem! Saiba que é possível sim ser fashion e ainda consumir uma moda sustentável. Se ficou curioso para saber como, então não deixe de ler esse nosso texto!

Shopping, Clothing, Clothes, Woven, Fabric, Shirt
A moda sustentável é a solução para quem quer ser fashion e ainda ser amigo da natureza

Os impactos socioambientais da indústria da moda

Como deu para perceber na nossa introdução, a indústria da moda está longe de ser amiga do meio-ambiente e, de quebra, ainda causa alguns ônus à sociedade como um todo. Então, que tal esmiuçar alguns dos impactos negativos socioambientais que ela pode causar?! Depois de entender a dimensão deles, você com certeza repensará no seu comportamento enquanto consumidor de moda.

1) Indústria têxtil

Os problemas gerados pela indústria da moda começam desde a produção de seus tecidos.A WWF (World Wide Fund for Nature) afirma que o mercado têxtil emite cerca de 1,7 bilhão de toneladas de CO2 anualmente. Fora isso, é estimado um consumo médio de 80l de água para cada 1kg de tecido, o que é uma quantidade absurda versus o volume de tecido fabricado. Com isso, fica evidente o quão pouco ecológica é a indústria têxtil.

Textile, Color, Colorful, Fabric, Texture, Rainbow
Um dos maiores vilões do meio-ambiente no mercado da moda é a indústria têxtil.

Mas calma que tem mais! Não bastassem os dois dados alarmantes citados acima, há ainda o problema relacionado com o tingimento. Para quem não sabe, os os tecidos são tingidos com petroquímicos, cujos danos ambientais são tão óbvios que nem precisamos citar aqui.

2) Resíduos

Já parou para pensar na quantidade de resíduos que a indústria da moda gera?! Se não, então reflita com a gente: cada peça de roupa possui uma modelagem, certo? Claramente, para se chegar a essa modelagem, é necessário fazer cortes e mais cortes no tecido, gerando um mundaréu de retalhos, que nada mais são do que os resíduos têxteis. E a conta a gente já sabe: se 1kg de tecido consome em média 80l de água, então 1kg de lixo têxtil irá consumir exatamente a mesma quantidade. Logo, são 80l de água sendo desperdiçada à toa!

No entanto, tão grave quanto os resíduos têxteis originados da fabricação das peças são os descartes das roupas, que só tendem a crescer à medida que as tendências da moda são modificadas de maneira cada vez mais rápida. Estima-se, por exemplo, que, um caminhão de lixo cheio de sobras de tecido é queimado ou descartado em aterros sanitários a cada segundo! Isso mesmo que você leu! Além disso, o equivalente a .500 bilhões de dólares são jogados fora, por ano, com roupas que mal foram usadas ou quase nunca recicladas. É desperdício atrás de desperdício!

3) Mão-de-obra escrava

Quem não se lembra do escândalo que envolveu a badalada empresa Zara em 2011, quando 15 trabalhadores foram encontrados em condições análogas à escravidão em pleno centro de São Paulo?! Pois é, infelizmente, casos como esse não são incomuns na indústria da moda, principalmente nas redes de fast fashion.

Artisan, Skin, Leather, Couture, Leather Goods
Um dos maiores escândalos da moda é a respeito da exploração de sua mão-de-obra.

Segundo pesquisa divulgada pela fundação Walk Free, a moda é o segundo setor que mais explora pessoas, ficando atrás apenas do ramo de tecnologia. Submetidas a jornadas de trabalho de até 20 horas por dia em pequenas confecções, é essa mão de obra que alimenta grandes redes de varejo das quais somos clientes. Por isso, é importante estar consciente de que o custo da nossa roupa pode ser muito mais alto do que o preço gravado na etiqueta, pois há vidas ali envolvidas.

Moda sustentável: a resposta ecológica para o mundo fashion

Se ficou horrorizado com as consequências da indústria da moda, mas ainda assim não quer deixar de consumi-la, saiba que a moda sustentável pode ser um caminho interessante para você. Também chamada de eco fashion, ela busca questionar todo esse processo degradante de produção e preocupa-se em usar métodos que não produzam ou, pelo menos, minimizem os impactos ambientais.

Selecionamos algumas dicas para você que não tem ideia por onde começar a agir nessa história de se tornar um consumidor de moda mais consciente. Todavia, sempre tenha em mente o seguinte: diferente das fast fashion, a moda sustentável preza pelas peças de boa qualidade, cuja durabilidade é maior e que tenham o uso prolongado.

Blue, Denim, Jacket, Clothing, Fashion, Bag, Backpack
Se você quer ser um adepto da moda sustentável, então as 3 dicas abaixo irão lhe ajudar.

1. Apoie marcas éticas

A dica mais básica de todas é apoiar as marcas éticas. Isso porque, toda vez que você opta por comprar uma peça de uma loja de fast fashion, você está apoiando financeiramente todas essas práticas insustentáveis das quais já falamos. E não é isso que quer, é?!

2. Use os aplicativos a seu favor

No mundo tecnológico de hoje, não seria improvável haver ferramentas que nos ajudariam nesse processo de consumir mais moda sustentável – e é justamente esse o caso o aplicativo Moda Livre, desenvolvido pela ONG Repórter Brasil. Gratuito, ele é um aplicativo gratuito que avalia o envolvimento das marcas de roupa no trabalho escravo e conta com mais de 70 marcas.

3. Invista nas roupas que compra

Não tem jeito: se quer consumir moda sustentável, você terá que desembolsar um pouco mais para isso. Os custos de produzir um tecido com tecnologias mais ecológicas, que minimizam os impactos ambientais, e de valorizar a mão-de-obra, pagando um preço justo pelos serviços prestados, elevam, inevitavelmente, os valores das peças. No entanto, quem não investe em suas roupas, acaba por financiar estas práticas pouco sustentáveis da indústria da moda.

Waiting, Appointment, Schedule, Time, Hurry, Urgent
Os adeptos da moda sustentável não economizam na hora de comprar suas roupas e acessórios.

Além disso, já sabendo dos problemas da indústria têxtil e da enorme geração de resíduos, também é importante atentar-se à qualidade de suas peças para que elas durem por mais tempo. Por consequência, você vai reduzir o seu consumo, deixando não só a natureza feliz, mas também o seu bolso. Ou seja, ser um adepto da moda sustentável traz benefícios para todo mundo!

Marcas sustentáveis: 5 empresas para quem busca uma vida mais eco-friendly

Aqui no nosso blog, não cansamos de frisar a importância de ser um consumidor consciente, pois só assim é possível analisar e dimensionar como nossas escolhas afetam a natureza. Se você já se convenceu disso, perfeito! A questão que fica é: quais marcas sustentáveis então apoiar?! Afinal, um dos princípios norteadores do consumidor consciente é justamente sobre valorizar as empresas em função de sua responsabilidade para com os funcionários, a sociedade e o meio ambiente.

Moda, Vestuário, Loja, Roupas, Vestido, Estilo
Conheça 10 marcas sustentáveis para você consumir e ainda ficar de bem com a natureza.

Caso você não tenha a resposta para essa pergunta, fique tranquilo, pois nós temos! Selecionamos 5 marcas sustentáveis que trabalham para criar produtos de maneira mais alinhada possível com a natureza. E aí, pronto para saber quais empresas financiar dando o seu dinheiro?! Com certeza, o meio-ambiente, assim como sua consciência, será sempre grato a você por fazer tais escolhas!

Marcas sustentáveis: as melhores empresas para você consumir com consciência tranquila

E aí, pronto para conhecer nomes de 5 marcas sustentáveis para você apoiar?! Se sim, então lá vai:

1. Insecta Shoes

Uma das marcas sustentáveis referência do ramo da moda é o Insecta Shoes. A empresa fabrica sapatos e acessórios exclusivamente veganos, feitos a partir de peças de roupas usadas e materiais reciclados, tais como garrafas plásticas nas partes superiores dos calçados, borracha nas solas, retalhos de tecido nas palmilhas e plástico nas biqueiras. Além disso, a empresa também faz a reciclagem dos pares antigos dos clientes que são devolvidos e possui embalagem reciclada e reciclável.

Insecta Shoes é uma das marcas sustentáveis no Brasil que estão sempre no inovando e, definitivamente, não podem faltar no seu guarda-roupa. 

As proprietárias da Insecta Shoes são Barbara Mattivy e Pamela Magpali, que começaram com a marca ao reaproveitar roupas vintage para fazer sapatos veganos. Atualmente, é uma das marcas sustentáveis no Brasil que estão sempre no inovando e, definitivamente, não podem faltar no seu guarda-roupa. 

2. The Body Shop

Com a missão de se tornar a empresa mais sustentável e ética do mundo em 2020, a The Body Shop, obviamente, não poderia faltar na nossa lista das marcas sustentáveis. Aliás, ela deve ser provavelmente a marca mais conhecida dentre todas que está aqui. Mas para quem não a conhece, está tudo bem! Abaixo, nós explicamos sobre o que se trata.

Com a missão de se tornar a empresa mais sustentável do mundo, a The Body Shop é uma das marcas que você não pode deixar de ter.

A The Body Shop é uma marca de cosméticos, produtos de beleza e perfumes inglesa, fundada em 1976 por Anita Roddick, e conhecida por seus produtos livres de testes em animais. Com o compromisso intitulado Enrich Not Exploit, a empresa possui três pilares norteadores, cada um com objetivos específicos: Enriquecer as Comunidades; Enriquecer os nossos produtos e Enriquecer o nosso planeta. Ou seja, ela está realmente engajada na questão socioambiental e, por isso, merece a sua devida atenção.

3. Zerezes

Zerezes é uma marca carioca de óculos que trabalha tanto com upcycling quanto com reciclagem. Fundada em 2012, quando começou a fabricar itens produzidos a partir de madeiras encontradas pelas ruas do Rio de Janeiro, a empresa cresceu e hoje também produz peças com a serragem gerada no processamento dessas madeiras, com acetatos garimpados em fábricas desativadas e com componentes resgatados de uma indústria nacional quebrada.

A marca de óculos Zerezes usa o upcycling a seu favor ao produzir suas peças.

Além disso, a marca possui duas estratégias bem interessantes para garantir o prologamento da vida útil de seus produtos, que são a política de assistência contínua e o recebimento de modelos antigos como entrada por novos. Ou seja, quando precisar de novos óculos, já sabe onde comprar, hein?!

4. Rêvo

No nosso texto sobre moda sustentável, nós batemos na tecla sobre as problemáticas que envolve a indústria, principalmente no que diz respeito à parte têxtil. Por isso, não poderíamos deixar de fora a marca Rêvo, que fabrica peças de roupas trabalhadas com praticamente 100% de tecidos reaproveitados. A estratégia da empresa é procurar outras marcas que tenham tecido em estoque, mas que, por algum motivo, não queiram mais trabalhar com ele. Então, a partir desse material que seria descartado, é criada a coleção.

Cientes dos impactos da indústria têxtil, a marca Rêvo utiliza-se de tecidos reaproveitados para fabricar suas roupas.

Para trabalhar desta maneira, a Rêvo precisa fazer o caminho inverso que as marcas de moda normalmente fazem. Isto é, primeiro ela busca o seu material para, a partir daí, criar suas peças – e não o contrário, que é idealizar a roupa e, depois, buscar a matéria-prima necessária. Esse processo necessita de muita criatividade, o que dificulta muito o trabalho; todavia, todos os obstáculos valem à pena ao se lembrar do bem enorme que está fazendo ao meio-ambiente. Sendo assim, a Rêvo é uma das marcas sustentáveis que você não pode deixar de apoiar!

5. Timirim Brasil

Se tem um mercado que, com certeza, vai contra todos os propósitos sustentáveis de consumo é o infantil. Como os bebês e as crianças crescem de maneira vertiginosa, é muito comum ver pais se desfazendo de roupas que nunca foram sequer usadas. Isso acontece justamente pelo fato de que eles, empolgados com a gestação, acabam comprando muito mais do que deveriam – e as marcas pouco fazem a respeito desse consumo desenfreado.

A nossa sorte é que existem empresas conscientes a respeito do que falamos acima, a exemplo da Timirim Brasil. Ela, no caso, é uma marca dedicada a fabricar roupas sustentáveis para os recém nascidos, produzindo peças feitas a partir de algodão orgânico de fornecedores selecionados. Além disso, suas embalagens seguem à risca a proposta da marca e são de material 100% reciclado. Ou seja, é a melhor marca para vestir seus filhotes, não é mesmo?

A Timirim Brasil é uma marca que traz soluções sustentáveis voltadas para o consumo do mercado infantil de roupas.

E aí, gostou de conhecer 5 marcas sustentáveis para você apoiar e ter no seu guarda-roupa?! Se sim, então não deixe de conferir nosso blog porque sempre terão dicas que irão lhe ajudar nesse processo de deixar um mundo melhor para as nossas futuras gerações! Tchau e até logo!

Influencers da sustentabilidade: 5 personalidades para você seguir já

Que hoje todo mundo está sendo digitalmente influenciado, isso ninguém pode negar. Seja nos assuntos de moda, lifestyle, viagens, alimentação saudável e dentre tantos outros, a verdade é que sempre haverá alguém na internet dando algumas dicas bem úteis para você. Melhor ainda se essas dicas fossem sobre sustentabilidade, não é mesmo?! Pensando nisso, listamos nomes de alguns influencers da sustentabilidade para você seguir já. Então, confira agora quem são essas personalidades que podem te trazer mais perto da força da natureza!

Os influenciadores do bem: conheça quem são os influencers da sustentabilidade

Com o mundo cada vez mais online 24h por dia, o que não faltam são influenciadores expondo seu estilo de vida em redes sociais, como o Instagram. Obviamente, esse comportamento pode trazer sentimentos ruins, como, por exemplo, o impulso de ter isso ou aquilo porque tal pessoa tem (falamos mais a respeito disso no nosso texto sobre minimalismo – clique aqui se você ainda não o leu), mas também tem o lado bom da história, pois é possível sim colher informações realmente úteis para o nosso dia a dia.

Terra, Scion, Folha, Sustentabilidade, Natureza, Planta
Conheça quem são os influencers da sustentabilidade e aprenda com eles!

Para quem tem interesse por assuntos que remetem à sustentabilidade, há diversas personalidades que falam com propriedade sobre o tema nas redes sociais. Seja o viver um estilo de vida minimalista, o produzir menos lixo ou o consumir uma moda sustentável, há abordagens para todos os gostos. Pensando em facilitar sua vida, nós selecionamos, então, 5 influencers da sustentabilidade para você começar a seguir desde já! Com certeza, as suas dicas podem ser bem valiosas para a sua vida.

1 – Bela Gil

A apresentadora Bela Gil é, provavelmente, a personalidade mais famosa da nossa lista de influencers da sustentabilidade. Filha do grande cantor Gilberto Gil e irmã de Preta Gil, Bela ganhou notoriedade com seu programa na GNT, o “Bela Cozinha”, que ensina receitas saudáveis. Hoje, a apresentadora comanda o “Refazenda”, também no mesmo canal, onde aborda temas como procedência dos alimentos, valorização das culturas locais, sazonalidade, aproveitamento dos alimentos, o manejo dos resíduos e entre outros.

A mais famosa das influencers da sustentabilidade, Bela Gil se destaca em relação à alimentação natural e ao seu lifestyle mais simples.

Mas não é só na televisão que Bela Gil se destaca. Nas redes sociais, ela também é altamente engajada e passa conteúdos relevantes a seus seguidores, como receitas naturais de higiene pessoal e de casa, além de dicas sobre como reduzir o lixo. Para quem quiser aprofundar mais em seus conhecimentos, Bela Gil também possui livros interessantíssimos, como o “Bela maternidade: Meu jeito simples e natural de ser mãe” e o “Bela Cozinha: da raiz à flor”.

2 – Giovanna Nader

Quem conhece a Giovanna Nader, normalmente é por meio de seu marido, o Gregório Duvivier, um dos criadores dos esquetes da Porta dos Fundos. Uma pena, pois sua esposa tem muito a oferecer a quem se interessa por moda sustentável! O conteúdo de Nader é tão rico que ela apresentou o programa “Se essa roupa fosse minha“, da GNT, cujo intuito era desmistificar o garimpo em brechós, mostrando que fazer compras num espaço como esse, pode ser, além de mais econômico e sustentável, uma experiência divertida.

Giovanna Nader é uma das influencers da sustentabilidade mais completa, dando diversas dicas para o dia-a-dia.

Em seu intagram, Giovanna dá dicas de como consumir uma moda mais consciente, utilizando o conceito de upcyclng a seu favor. Aliás, esse tema também já foi discutido aqui no nosso blog e você pode entender mais clicando aqui. Além disso, ela não deixa de abordar outras questões importantes, tais qual a redução do lixo, os impactos do plástico e a beleza natural.

3 – Nátaly Neri

A youtuber Nátaly Neri começou a ganhar popularidade no seu antigo canal “Afro e Afins”, onde ela discutia, principalmente, as temáticas raciais, mas também mostrava um pouco da sua vida sustentável por ser uma consumidora assídua de brechós. Atualmente, seu canal mudou, Nátaly ganhou mais projeção e ela passou a falar de mais temas, sendo, então, uma das nossas influencers da sustentabilidade para seguir.

Nataly Neri tem ótimas dicas sobre garimpos em brechós, além de abordar a questão do veganismo.

Vegana, Neri mostra em seu instagram o cotidiano de uma pessoa com essa filosofia de vida, não faltando dicas sobre receitas de beleza natural, além de indicações de marcas sustentáveis e cuelty-free. Ainda, a influencer não deixa de mostrar seus achados em brechós, mostrando seu armário de roupas 100% garimpadas, além das mobílias de sua casa, que também foram compradas de segunda mão.

4 – Chiara Gadaleta

Apresentadora do programa Menos é (de)mais da Discovery Home & Health, Chiara Gadaleta é uma das precursoras a trazer o tema da sustentabilidade para a moda no Brasil. Em seu programa, ela aborda as formas de repensar sua relação com a moda, questiona a sua maneira de consumir e te ensina a desapegar de jeito fácil, porém inteligente.

Atualmente, Chiara atua como consultora de sustentabilidade na indústria da moda e, por isso, tem muita propriedade em falar sobre o assunto. No seu instagram, não faltam reflexões para quem busca um estilo mais consciente.

5 – Cristal Muniz

Cristal Muniz é, provavelmente, uma das maiores influenciadoras sobre o assunto lixo zero, tema esse que já discutimos diversas vezes no blog. Dona de um canal no youtube que leva seu nome, além do blog “Uma Vida Sem Lixo”, Cristal não economiza nas dicas sobre como viver com menor geração de resíduos possível. Então, se você é um apreciador do assunto e quer viver de maneira mais amiga do meio-ambiente, não pode deixar de seguir a Cristal Muniz. Com certeza, ela fará você embarcar de vez nessa ideia do lixo zero.

Cristal Muniz, do blog Uma Vida Sem Lixo, dá diversas dicas sobre como ser um adepto do lixo zero.

Selecionar apenas 5 influencers da sustentabilidade é uma tarefa difícil, mas por uma boa razão! Felizmente, o assunto está sendo amplamente discutido e, a cada momento, mais e mais pessoas estão se preocupando com as questões sustentáveis e falando sobre elas. Então, se você tem mais alguma dica de algum influenciador, não deixe de comentar abaixo! Com certeza, sua contribuição terá grande valia aqui!

Dicas de como ensinar sobre sustentabilidade para as crianças?

Embora sustentabilidade seja considerada um assunto da moda, a verdade é que o termo já está a um tempo sendo utilizado. Para quem não sabe, o conceito foi criado em 1987 no relatório de Brundtland e significa “atender as necessidades das gerações atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atenderem a suas necessidades e aspirações”. Com isso, fica clara a importância de ensinarmos sobre sustentabilidade para as crianças, uma vez que elas são o nosso futuro e precisam estar cientes desde novas sobre como suas atitudes impactam no mundo.

Chuva, Água, Elemento, Gota De Água, Gotejamento
É extremamente importante ensinarmos sustentabilidade para as crianças desde novas.

Sabendo disso, a questão que fica é sobre como abordar tal assunto, que é um tanto complexo, para os pequenos. Claramente, os exemplos sustentáveis dos pais e dos adultos que os rodeiam têm uma enorme influência, mas reforçar isso em palavras e ensinamentos se faz mais do que necessário. Então, como fazer?! Existe uma melhor maneira para ensinar sobre sustentabilidade para as crianças?! Se essas dúvidas te perseguem, fique tranquilo! É justamente sobre isso que nosso texto irá tratar.

Sustentabilidade para as crianças: por onde começar!?

A maneira mais fácil para trazer o valor da sustentabilidade para a vida da criança é por meio de ações. Isso porque, depois que ela incorporar hábitos ecologicamente corretos no seu cotidiano, a conversa da importância do assunto se torna muito mais fácil e coerente. Ainda, quanto antes as atitudes  sustentáveis forem iniciadas, mais facilmente de elas se tornarem parte da rotina da criança, não sobrecarregando, assim, o seu cotidiano ou exigindo esforço excessivo por dela.

Então, quais ações sustentáveis que os pais devem incentivar as crianças a terem? Vejamos 5 exemplos que irão lhe ajudar:

1) Tomar banhos rápidos

Banho, Criança, Menino, Agradável, Água, Chuveiro
Ensinar seus filhos a tomarem banhos rápidos já é um primeiro passo para fazer eles entenderam a respeito da sustentabilidade e sua importância para o mundo.

Não basta forçar as crianças a tomarem banhos rápidos, pois assim elas não aprenderão nada e ainda enxergarão o banho em tempo recorde como apenas mais uma obrigação criada pelos pais. É preciso ensiná-las o porquê disso, explicando a importância da água no mundo e como economizá-la impacta em seu futuro. Como dica, brinque que tomar banho rápido é um desafio a ser cumprido. O pequeno vai adorar ser desafiado e se esforçará para conseguir cumprir a tarefa!

2) Moderar o uso da eletricidade

Assim como tomar banho rápido é um ensinamento imprescindível a seus filhos, fazê-los entender sobre o uso da eletricidade também é. Cuidar do consumo de energia é economia para a família, além de trazer benefícios ao planeta. Isso porque, infelizmente, ainda estamos muito dependentes de fontes energéticas que geram poluentes na atmosfera e trazem malefícios para o meio ambiente.

Fotovoltaicas, Sistema Fotovoltaico, Sistema Solar
A escolha por energia limpa se torna mais do que óbvia frente aos impactos negativos da fonte de energia “suja”.

Aliás, se quiser entender mais sobre o assunto, recomendamos que leia o nosso texto “Energia renovável: saiba mais sobre essa fonte de energia limpa e sustentável“. Lá você verá quais são as melhores opções de energia limpa no Brasil – e, quem sabe assim, poderá colocar alguma na sua casa, ensinando desde esse ato o que é sustentabilidade para as crianças. Não é uma má ideia, hein?!

3) Consumir menos alimentos industrializados

Aqui no nosso blog, nós já falamos diversas vezes sobre a importância de reduzir o lixo, trazendo dicas para dentro da sua casa, para fora e até mesmo para organizar uma festa infantil sustentável. Pois bem, sabendo de tudo isso e da importância do assunto, fica mais do que óbvio que é preciso ensinar esse aspecto da sustentabilidade para as crianças desde sempre.

Fruit, Harvest, Apple, Plum, Blackberry, Autumn, Fruits
Leve as crianças às feiras e mostre a elas o poder do não.

Então, comece a sua missão reduzindo os alimentos industrializados, levando as crianças nas feiras e mostrando a elas o poder do “não”: não às sacolas de plástico, não às embalagens, não a tudo que provoca impactos negativos ao meio-ambiente. Quando você menos perceber, elas estarão tomando as mesmas decisões que você!

4) Separar o lixo corretamente

E quando não for possível não gerar resíduos, o que fazer?! Bom, nesse caso, é preciso ensinar às crianças a importância de se separar o lixo para que ele vá à coleta seletiva e seja reciclado, não ficando à mercê do mundo à espera de centenas de anos para sua total decomposição.

Reciclar, Egito, Resort Ilha Elefantina, Assuão
Um dos ensinamentos mais básicos sobre a sustentabilidade para as crianças diz respeito ao correto descarte do lixo, que for impossível de evitá-lo.

Infelizmente, vivemos em sociedade e não são todas as pessoas que pensam como nós, o que nos coloca em situações em que não há a escolha de não gerar resíduos. Sendo assim, dos males, o menos pior: que seu lixo gerado seja, ao menos, descartado corretamente.

5) Repensar o consumo

Se tem algo que os pais fazem para os filhos e passam um ensinamento completamente equivocado é a respeito do consumo . Repare bem e veja como o mercado infantil gera muito, mas muito dinheiro. Isso porque as crianças tendem a perder o interesse pelos seus brinquedos conforme vão crescendo, assim como perdem suas roupas e sapatos por não lhes caberem mais. Fora isso, elas estão sempre rodeadas de pessoas que querem lhes presentear para fazer um agrado, além de estarem sempre choramingo para os pais pra comprar isso ou aquilo.

Se essa é a situação dos seus filhos, está tudo bem. A questão agora é mudar a perspectiva delas, questionando se é realmente necessário ter ou comprar aquelas coisas. Faça um acordo com elas: a cada vez que algo novo entrar na sua casa, elas precisam doar outra na mesma quantidade. Assim, elas vão repensar se vale realmente a pena descartar algo que já tem para adquirir um brinquedo ou uma roupa. Com certeza, esse pequeno ato vai impactar e muito na vida de seus filhos.

Criança, Loja, Centro Comercial, Holiday
Incentive as suas crianças a repensarem sobre o consumo, fazendo pequenos acordos.

E aí, gostaram das nossas dicas sobre sustentabilidade para as crianças?! Se sim, continuem então de olha nos nossos textos porque sempre trazemos novas informações sobre o assunto. Até mais!