Brechós: por que apostar neles?

Falar de consumo mais sustentável sem falar de consumismo é difícil. E quando se trata de roupas, então a conversa fica séria. Mas é realmente possível mudar a nossa rotina de consumidores? No blog trazemos diversas dicas e reflexões que você pode aplicar em seu dia a dia.

Por isso, no texto de hoje vamos falar dos brechós. Por que optar pelos brechós? E sim eles estão na moda e vieram para ficar e contribuir para um consumo mais sustentável, além de ser uma maneira de lutarmos por uma indústria mais responsável.

Consumo de roupas de forma mais consciente

Além do surgimento de marcas mais sustentáveis, os brechós são uma aposta para uma moda mais sustentável.

O consumo de roupa cresceu muito nos últimos anos. Especialmente, as roupas fast fashion  (moda rápida).

Durante décadas, diferentes organizações e profissionais vêm trabalhando em alternativas para esse grande problema, e para descobrir novas matérias-primas mais sustentáveis, fórmulas para a redução de substâncias tóxicas na criação de peças de vestuário, processos de produção mais eficientes e menos poluentes, etc.

O objetivo é claro: conseguir controlar os enormes custos sociais e ambientais envolvidos no desperdício desenfreado e perigoso de roupas, que é produto do consumo acelerado do fast fashion.

Ressurgimento dos brechós

Um brechó é apenas um lugar onde você vende itens usados, por isso é algo com o qual você provavelmente já está familiarizado e provavelmente comprou algumas peças. Existem diferentes tipos de brechós, mas a ideia básica é a mesma: reaproveitar as roupas e diversas outras peças!

Reutilizar roupas é uma prática comum. Muitos usavam as roupas de seus irmãos mais velhos, alguns até as de seus pais quando jovens. Algo que ouvimos mais de uma vez da boca de nossos avós ou pais. 

Mas essa que já foi tradição está ganhando cada vez mais interessados. Os brechós tanto físicos, quanto os online estão ganhando força. Existem lojas dedicadas especificamente à venda dessas peças de vestuário, que foram descartadas por pessoas cansadas da peça, roupas que não servem mais ou simplesmente peças que elas compraram por impulso e não querem mais ter. 

Existem até lojas que procuram roupas ‘vintage’ de grandes marcas e as vendem a preços exorbitantes devido ao seu valor na história da moda. E, agora mais do que nunca, os brechós têm ganhado destaque em todo o mundo.

E com uma preocupação crescente com os efeitos da moda rápida no meio ambiente, as pessoas estão adotando os brechós em sua rotina.

Seu bolso ganha e o planeta

Comprando em brechós, além de ser mais sustentável você também economiza.

O que é verdade é que os benefícios de adquirir roupas de brechó não se limitam à parte ambiental, mas também contribuem para a moda e o estilo pessoal. 

Uma vantagem é que, em troca da compra de uma blusa em uma loja de moda rápida, onde haverá centenas de pessoas com a mesma estampa e estilo, comprar uma blusa em brechó garante, em alguns casos peças únicas.

Outra vantagem é que as roupas ‘vintage’ geralmente têm mais qualidade do que as roupas atuais. Algo que não é nada estranho, já que há dez, vinte ou trinta anos as roupas se tornaram um pouco mais conscientes, com materiais menos baratos e mais resistentes. 

A moda rápida e seu modelo de produção baseado na produção em massa e não na qualidade das roupas em si ainda não haviam chegado com força. Isso garante que, mesmo sendo uma peça de segunda mão, em grande parte dos casos, peças de qualidade durarão muito mais tempo.

Famosas apostam em brechó

Gisele Bündchen já afirmou que é fã de brechós.

O fato de realizar compras no brechó está mudando. Para muitos, quando se falava em brechó se tinha aquela imagem de roupas velhas e com odor não muita agradável. Hoje a realidade é outra. Existem muitos brechós famosos, e inclusive famosas fazem compras nele.

Isso também contribuiu com um velho pensamento de que comprar no brechó é para quem não tem condição. Hoje já não é mais.

Consumo sustentável

Atualmente, a indústria têxtil tomou tanta velocidade que enfrentamos uma situação insustentável para o planeta a médio prazo. As alternativas para se vestir de maneira mais sustentável estão cada vez mais sendo adotadas por mais consumidores.

Nas últimas décadas, a produção e o consumo de moda se multiplicaram em um ritmo vertiginoso. As coleções rodam constantemente, são difíceis de garantir condições dignas de trabalho e respeito ao meio ambiente, e as compras tornaram-se uma de nossas formas mais comuns de lazer. 

Diante dessa situação, alguns usuários preferem tomar medidas e se afastar dessa tendência avassaladora.

Vantagens de comprar no brechó

Há inúmeras vantagens de comprar em brechós. Listamos abaixo algumas delas!

REDUZ O DESPERDÍCIO QUE OFERECEMOS AO MEIO AMBIENTE

Comprar em brechó serve para reduzir o desperdício que prejudica o meio ambiente, uma vez que os materiais com os quais as roupas são feitas são considerados poluentes. 

SEU PREÇO É MAIS BAIXO

Nos tempos em que o objetivo é economizar, vamos começar pelas roupas! Todo mundo gosta de ter roupas diferentes no armário, e acreditamos que a melhor maneira de fazer isso é apostar nos brechós, já que preço pode ser mais baixo.

ROUPAS DE MARCA A PREÇOS MUITO BAIXOS

Continuamos enfatizando a questão do preço. Desta vez, vamos nos referir às roupas da marca. Sempre há uma peça de roupa que nos deixa loucos, mas que o preço apenas nos leva de volta. O que aconteceria se você pudesse comprá-lo por um preço muito baixo? A resposta é ” compre roupas de brechó “, simples assim.

ORIGINAL E DIFERENTE

A personalidade de todos é diferente e isso pode se refletir em nossas roupas. No mundo das roupas de brechó você pode encontrar roupas muito diferentes das que não encontra nas lojas habituais. Pode ser divertido apostar em roupas mais originais.

A PESQUISA PODE SER DIVERTIDA

O mundo das roupas de brechó é imenso, portanto quem está apaixonado por ele tem uma tarefa árdua pela frente: procurar a roupa certa. A melhor recompensa que você pode encontrar é uma peça original e incomum, perfeita para nós.

RECICLAGEM

Continuamos na linha de redução de resíduos. É importante estar ciente da reciclagem e não apenas isso, é importante não desperdiçar nada. Portanto, se você tem uma peça de roupa que deseja remover do armário, não a jogue fora para sempre, pois pode ser a peça perfeita para um brechó ou até mesmo para doação.

E você? Também tem o hábito de ir ao brechó? Nos conte a sua experiência.

Boas compras, e com consciência!

Sacolas Plásticas: por que banir elas?

Falamos em outros texto porque começar a reduzir o plástico. No texto de hoje vamos falar sobre as sacolas plásticas. Elas têm sido frequentemente classificadas como um dos produto mais consumidos no planeta, mas alguns países já estão adotando medidas para banir o uso e ela pode estar com os dias contados. 

Muitos países estão debatendo o uso das sacolas plásticas

Quando se fala do movimento ambiental, o debate sobre a sua proibição é cada vez mais difundido em muitas regiões do mundo, e já existem dezenas de países que impuseram proibições parciais ou totais ao seu uso. 

Sacolas plásticas: presente em nosso dia a dia

Os sacos de plástico são, sem dúvida, um dos produtos mais característicos do século XXI. De um produto relativamente estranho, há apenas 30 anos, tornou-se presente em todos os cantos do planeta, como muitos outros produtos plásticos.

Todos os anos entre 500 bilhões e 1 trilhão de sacolas plásticas são usadas em todo o mundo, o que as torna um dos produtos mais consumidos em todo o mundo. 

Também são produzidas mais de 300 milhões de toneladas métricas de plástico, das quais aproximadamente 40 a 50% destinam-se a plásticos descartáveis ​​(garrafas, invólucros, bolsas, etc.). Em geral, o plástico representa 12% dos resíduos sólidos do mundo, portanto, não é difícil imaginar por que sua proibição se tornou um dos principais objetivos do ambientalismo.

Países que já proibiram as sacolas plásticas

Alguns países já implementaram práticas para diminuir o seu consumo.

Até o momento, 127 países já introduziram medidas restritivas ao uso de sacolas plásticas, desde a proibição total a impostos especiais, passando por restrições à sua comercialização. Em 2002, Bangladesh foi o primeiro país a proibir o uso de sacolas plásticas por causa dos problemas que causaram em seus sistemas de drenagem no meio ambiente.

Esse custo econômico, social e ambiental já está sendo sofrido e calculado. Em todos os continentes do mundo, cresce a preocupação com a produção de plásticos. 

Sua redução não é uma tarefa fácil, e há várias razões: mudar hábitos sempre leva tempo, criar consciência sobre produtos que aparentemente tornam nossa vida “mais fácil” também e, além disso, qualquer ação que tende a parar o consumo.

O plástico é uma ameaça direta ao setor de petróleo, que depende do crescimento do setor petroquímico – e da fabricação de plásticos derivados dele – para o crescimento sustentado da demanda de petróleo no mundo.

Na América Latina, estima-se um consumo anual de 24 milhões de toneladas por ano de plásticos. Desse total, os principais consumidores são Brasil e México, onde cada um contribui entre 7 e 8 milhões de toneladas por ano.

A indústria do plástico teve um forte crescimento nas últimas décadas, que foi reforçado com os diferentes usos em que é usado.. É assim que Argentina, Chile e México ocupam os três primeiros lugares do mundo, em consumo de refrigerantes per capita, deixando os Estados Unidos em quarto lugar.

Em outro exemplo, apenas o Chile consome mais de 3.400 milhões de sacolas plásticas por ano, o que é improvável para os quase 20 milhões de pessoas que vivem em seu território.

Esses números são apenas um exemplo de como a indústria do plástico começou a avançar timidamente para se tornar um objeto onipresente que leva milhares de anos para se degradar e gradualmente colonizou oceanos, vales, rios e montanhas, com desastres e consequências para a flora e fauna.

Exemplo na prática

A Alemanha pretende proibir o uso de sacolas plásticas descartáveis ​​que são oferecidas em caixas de armazenamento a partir do próximo ano, de acordo com um projeto do Ministro do Meio Ambiente.

Hoje, existem dezenas de cidades, regiões e países que perceberam o problema que essas trocas representam. E é por isso que eles implementaram regulamentos para reduzir a grande quantidade de resíduos plásticos que geram. Muitos países africanos e asiáticos, como Ruanda em 2008 ou Bangladesh em 2002, já os proibiram.

De fato, o problema das sacolas plásticas é a luta mais significativa que ocorre contra a plasticização do nosso planeta. E esses resíduos têm um tremendo impacto na natureza.

Por que sacolas plásticas poluem tanto?

Dezenas de cidades têm trabalhado em iniciativas destinadas a reduzir o consumo de sacolas.

Tudo começa no momento de sua fabricação. É muito poluente devido à sua grande necessidade de consumo de energia e ao uso de vários produtos químicos tóxicos.

Então, uma vez consumido, seu impacto também é dramático. Flutuando no mar, eles poluem gradualmente as águas e os solos e são responsáveis ​​pela morte de milhares de animais. Por exemplo, as tartarugas marinhas ingerem os sacos confundindo-os com água-viva e, em seguida, não têm capacidade para evacuá-los.

E isso não afeta apenas os animais marinhos. Na capital da Mauritânia, 70% do gado morto é o resultado da ingestão de sacolas plásticas. Obviamente, esta situação tem um impacto direto nas condições de vida da população, bem como na qualidade dos solos e da água.

E a reciclagem?

Por fim, é importante lembrar que a reciclagem de plástico ainda não pode ser considerada uma solução.  Além disso, a reciclagem de sacos plásticos de baixa densidade é muito complicada. 

Muitas vezes elas não são recicladas, mas vão diretamente para os incineradores. Portanto, a questão não é saber qual é a solução para a quantidade abismal de sacolas que usamos, mas encontrar uma maneira de parar de usá-las.

Por isso, em sua rotina você pode optar pelas sacolas de pano. Também conhecidas como ecobag, você as pode levar para todo lugar que vai. É uma opção prática para adotar em seu dia a dia.

A Green Frog tem para venda ecobag e essa pode ser uma escolha sustentável para o seu dia a dia. Elas são reutilizáveis, podem ser facilmente lavadas, e ainda suportam mais peso que as de plástico.

Ativistas do meio-ambiente: 5 pessoas que estão mudando o mundo para melhor

Falar hoje em sustentabilidade parece até ser clichê, não é mesmo?! De repente, de uma hora para outra, pessoas estão opinando sobre as questões que envolvem o tema, como foi o caso do aumento das queimadas da Amazônia que ocorreu em 2019. No entanto, como diria o ditado popular, “falar todo mundo fala”. A questão é: quem realmente está fazendo algo para deixar um mundo melhor para nós e para as gerações futuras? Pois é, eis a questão! Então, pensando nisso, selecionamos 5 ativistas do meio-ambiente que estão, de fato, agindo em prol do planeta.

1. Boyan Slat

Um dos ativistas do meio-ambiente mais famoso dentre todos é o holandês Boyan Slat, que, com apenas 18 anos de idade, criou a empresa The Ocean Cleanup, cujo objetivo era recuperar as águas do oceano em apenas cinco anos. Para isso, o jovem desenvolveu uma máquina capaz de limpar todo o plástico dos mares, que já se acumula mais de 7 milhões de toneladas do material, dentro desse período. Parece algo improvável criar um mecanismo desse tipo, né? Mas Boyan conseguiu, por incrível que pareça!

Resultado de imagem para Boyan Slat
O jovem holandês Boyan Slat criou a empresa The Ocean Cleanup, cujo objetivo é limpar os 7 milhões de toneladas de plástico do oceano num período de apenas cinco anos.

Para se ter ideia da dimensão do problema que Boyan Slat quer enfrentar, a Organização das Nações Unidas (ONU) diz que 80% de todo o lixo marinho é formado por plásticoPara piorar, até 2050, afirma o órgão, a quantidade de plástico vai superar a de peixes. No entanto, essas informações não desestimularam o jovem ativista, que acabou criar um sistema para interceptar plástico dos rios, o The Interceptor. Diferentemente do projeto anterior, a ideia do novo mecanismo é interceptar o plástico antes mesmo de que ele chegue aos oceanos. Com isso, o trabalho de limpeza seria reduzido significativamente. Genial, não?!

2. Danielle Fong

Outro nome de destaque dentre os ativistas do meio-ambiente é o da Danielle Fong. Cientista e empreendedora canadense, ela é co-fundadora e cientista chefe da LightSail Energy, uma startup fundada em 2008 de tecnologia de armazenamento de energia de ar comprimido localizada em Berkeley, Califórnia. Com isso, haveria um armazenamento barato e abundante de energia, que pode mudar a natureza da rede elétrica e transformar a energia eólica e solar intermitente em energia de base.

Resultado de imagem para Danielle Fong
Danielle Fong é co-fundadora e cientista chefe da LightSail Energy, uma startup fundada em 2008 e que já recebeu investimentos financeiros de figuras como Peter Thiel, Bill Gates e Vinod Khosla.

A ideia atriu tanto os bilionários interessados pelo tema da sustentabilidade que, em fevereiro de 2016, a LightSail havia levantado aproximadamente US$ 70 milhões, havendo em seu rol de investidores personalidades como Peter Thiel, Bill Gates e Vinod Khosla.

3. Vanessa Nakate

Nascida em 1996, a jovem Vanessa Nakaté é uma ativista de Uganda que ficou internacionalmente conhecida depois de sentir o racismo na pele ao ter sido cortada em uma foto publicada pela agência de notícias Associated Press que reunia ela junta de outras ativistas (brancas, no caso) durante atividade no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Uma pena, pois esse caso acabou sendo maior do que seu trabalho em prol do meio-ambiente.

Resultado de imagem para Vanessa Nakate
Uma das ativistas do meio-ambiente, Vanessa Nakate tornou-se a primeira jovem a organizar as chamadas greves pelo clima em Uganda, chegando a participar de eventos importante sobre o tema.

Pois bem, mas vamos dar destaque ao que interessa, não é mesmo? Aos 22 anos, Vanessa Nakate tornou-se a primeira jovem a organizar as chamadas greves pelo clima em Uganda, em janeiro de 2019, inspirada pelo movimento iniciado um ano antes por Greta Thunberg. A partir de então, a ativista atraiu outros jovens para os protestos e fundou o The Rise Up Movement, rede de movimentos de jovens que pede ação climática em países da África. Ao ganhar evidência, participou da COP-25, conferência do clima na Espanha, em 2019, e do Fórum Econômico Mundial, no início de 2020.

4. Steph Gabriel

Steph Gabriel é uma ativista, empresária e cientista marinha, que, em 2014, fundou a OceanZen, uma empresa que vende roupas de banho feitas de garrafas plásticas e redes de pesca deixadas no oceano. Com o lema “salvar o oceano, um biquíni ao mesmo tempo”, sua abordagem ecológica dos negócios incentiva as pessoas a pensarem sobre o uso do plástico e o futuro do planeta.

Resultado de imagem para steph gabriel
Steph Gabriel uniu sua paixão pela moda e seu conhecimento científico sobre a vida marinha para criar a marca OceanZen, cujos produtos são feitos com garrafas plásticas e redes de pesca deixadas no oceano.

A ideia da empresa de moda sustentável surgiu depois da Steph Gabriel morar nas Ilhas Cayman e trabalhar com arraias selvagens. A partir daí, ela começou a aprender sobre os impactos humanos no oceano, principalmente no que diz respeito aos plásticos descartados nos mares e como eles prejudicavam a vida marítima. Foi justamente nesse momento em que nasceu a OceanZen, cuja sede está na Austrália. Para quem se interessou pelos seus produtos, a boa notícia é que é possível comprá-los ​​de qualquer parte do mundo, pois eles são enviados globalmente!

5. Leonardo Miranda

O único brasileiro da nossa lista se chama Leonardo Miranda. O jovem com pouco mais de trinta anos, nascido na cidade de Botucatu, interior de São Paulo, mas atualmente morando no Rio de Janeiro, é um dos co-fundadores do projeto Bullying Do Bem, criado em dezembro de 2018, cujo principal objetivo é retirar os lixos acumulados nas praias cariocas.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, noite
Leonardo Miranda é um dos co-fundadores do projeto Bullying Do Bem, cujo principal objetivo é retirar os lixos acumulados nas praias cariocas.

O instagram do projeto conta atualmente com pouco mais de 5.000 seguidores, que estão engajados nas chamadas dos multirões da limpeza. Com a filosofia de que 1 > 0, o Bullying do Bem também ampliou as suas ações, levando comida a moradores de rua, recolhendo livros para doar e dentre tantas outras coisas. A causa é tão grande que já moveu inclusive artistas, como é o caso da atriz Isabella Santoni.

Não deixe de comentar sobre os ativistas do meio-ambiente

O nosso texto chegou ao fim, mas não deixem de comentar sobre os ativistas do meio-ambiente. Além disso, também deixem indicações de nomes de outras pessoas que estão deixando um mundo melhor para todos. Quem sabe assim, nós ficaremos cada vez mais inspirados a lutar por um planeta mais sustentável, não é mesmo?!

Filmes sobre sustentabilidade: 8 sugestões para você aprender mais sobre o tema

Que a palavra sustentabilidade está na moda, isso ninguém pode negar. Mas que bom, né?! Afinal, é justamente graças a esse tema e a consciência ecológica que as pessoas estão tendo que o meio-ambiente ainda pode vislumbrar uma salvação. No entanto, a grande verdade é que parece que o assunto não tem fim e fica cada vez mais difícil de fixar os conceitos que vão surgindo ao longo do tempo… O lado bom da história é que não faltam filmes sobre sustentabilidade para nos ajudar nesse processo de memorização e aprendizado.

Tv, Homem, Assistindo, Quartos, Escritório, Moderna
Que tal ver filmes sobre sustentabilidade? Com certeza, essa será uma das melhores formas para você aprender mais sobre o tema.

Se quer aprender mais sobre o tema, então veja abaixo a lista que nós fizemos para você. São diversos filmes que estão aí e que irão lhe auxiliar nos seus conhecimentos a respeito da sustentabilidade. E sejamos sinceros: há maneira mais divertida do que aprender vendo filmes?! Não, né?! Então, se joga nessa lista e aprenda mais sobre o assunto!

Filmes sobre a sustentabilidade para assistir na Netflix

Como hoje em dia é quase impossível alguém não ser assinante da Netflix, então nada mais justo do que deixarmos uma lista de filmes sobre sustentabilidade para você assistir pela plataforma, não é mesmo?! Assim, você conseguirá aprender mais sobre o tema sem precisar ficar pesquisando muito sobre e nem ter que arcar com isso. E aí, animado para saber quais são as nossas sugestões?!

8 – Terra

Como diria a sua própria sinopse: “Com um visual arrebatador, este documentário reflete sobre a nossa relação com outras criaturas do mundo à medida que a humanidade se afasta cada vez mais da natureza”. É assim, então, que o filme Terra é apresentado a seu público, mostrando qual é o seu verdadeiro potencial.

O documentário de 90 minutos dirigido por Alaistair Fothergill e Mark Linfield é de tirar o fôlego de qualquer um. Isso porque, ao longo da história, o filme mostra claramente como ainda somos capazes de mudar o nosso futuro apenas olhando de forma diferente para a vida. Ou seja, é praticamente um tapa na nossa cara, que nos faz acordar e refletir sobre nossas atitudes em relação ao meio-ambiente.

7 – Mission Blue

Outro documentário imperdível sobre o tema é o Mission Blue, dirigido por Robert Nixon e Fisher Stevens. O filme retrata a campanha da oceanógrafa Sylvia Earle para salvar os oceanos do mundo de várias ameaças, como a pesca abusiva e os resíduos tóxicos, evidenciando, assim, a importância da preservação do nosso planeta.

Com certeza, o Mission Blue é um dos melhores filmes sobre sustentabilidade. Ele não é pudico em mostrar quais os impactos que nós estamos deixando para o mundo e muito menos poupa alguém da responsabilidade de proteger a nossa casa, os nossos mares e a nossa natureza como um todo.

6 – Como Mudar o Mundo

Não há quem não conheça o GreenPeace, uma das maiores, se não a maior, organizações ativistas ambientais, cujo foco está, principalmente, nas questões que envolvem a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. Se você não conhece a história da organização, então saiba que o documentário Como Mudar o Mundo irá resolver esse seu problema.

Como já deu para entender, então esse filme nada mais é do que um relato sobre a história do Greenpeace e como tudo começou. Embora não seja um dos típicos filmes sobre a sustentabilidade, é importantíssimo que você conheça mais sobre a organização e, quem sabe assim, fique mais animado a atuar em prol do planeta.

5 – Seremos história?

O documentário de 2016 Seremos história? é produzido por ninguém mais, ninguém menos, do que o Leonardo DiCaprio. Para quem não sabe, além de um excelente ator, ele é um dos famosos mais importantes no ativismo ambiental, fazendo, inclusive, grandes doações para o Fundo da Floresta Amazônica.

Sobre o filme, ele diz respeito aos 3 anos de viagens pelo mundo do ator, nomeado mensageiro da paz pela ONU, em busca de respostas sobre as mudanças climáticas. Cientistas renomados, Barack Obama, Bill Clinton, John Kerry e até o Papa Francisco fornecem o seu ponto de vista sobre a questão. Além disso, Leonardo di Caprio nos leva à linha de frente da batalha contra as mudanças climáticas, mostrando as suas consequências e as ações necessárias para minimizá-la.

4 – The True Cost

Para quem gostou do nosso texto sobre o conceito do Upcycling, um filme que pode ser bastante interessante e que fará qualquer um refletir sobre o consumismo é o The True Cost, que abrange as questões econômicas, sociais e ambientais da indústria da moda “fast fashion” .

Filmado em diversas localidades ao redor do planeta, o documentário busca detectar os diferentes aspectos e impactos desta indústria baseada apenas no lucro e no crescimento ilimitado. No final do filme, será impossível não refletir em como as empresas podem ser capazes de colocar a sua lucratividade acima de todos e como nós temos uma parcela de responsabilidade nesse comportamento destrutivo.

3 – A Plastic Ocean

Seguindo mais ou menos a mesma temática do Mission Blue, o filme A Plastic Ocean mostra um documentarista que investiga os impactos da poluição ambiental ao descobrir que os oceanos do planeta estão repletos de plástico. É impossível não assistir a esse documentário e não se questionar a respeito do uso do material e o quão nocivo que ele é ao meio-ambiente.

Para quem não se lembra, inclusive já falamos sobre esse assunto diversas vezes aqui no blog. Recomendamos fortemente que se leia a nossa publicação “Consumo de plástico no seu dia-a-dia: por quê e como reduzir?”. Com certeza, ao ver o filme e ler o nosso o texto, você vai pensar várias vezes antes de consumir mais plásticos.

2 – Minimalism: a documentary about the important things

Quem acompanha o blog, provavelmente não estranhou ao ler esse título, não é mesmo?! Afinal, falamos sobre ele no nosso texto sobre minimalismo. Aliás, se você ainda não leu essa nossa publicação, recomendamos que leia. Com certeza, é um assunto interessantíssimo para você que está querendo saber mais sobre sustentabilidade.

Pois bem, o documentário Minimalism: a documentary about the importante things traz à tona justamente a questão do minimalismo e como seguir o estilo de vida minimalista pode nos proporcionar a verdadeira felicidade. Em um mundo onde as pessoas ficam todo o tempo online, compartilhando da sua “incrível” vida, desapegar-se é mais do que bom – é quase que uma questão de sobrevivência.

1 – Cowspiracy: o segredo da sustentabilidade

Cowspiracy é, provavelmente, um dos filmes sobre sustentabilidade mais conhecido hoje em dia pelo público em geral. O documentário, que trata de um assunto bastante polêmico da nossa sociedade, a indústria agropecuária, já foi motivo inclusive de publicações de famosos brasileiros, como foi o caso da Anitta.

Toda a sua popularidade tem uma razão: o filme é extremamente eficiente em tocar na nossa ferida. Questão é que ele demonstra como a agropecuária intensiva está dizimando os recursos naturais do planeta e por que essa crise tem sido ignorada por grandes grupos ambientalistas. O Cowspiracy nos faz questionar até onde vale comer carne em detrimento tão grande do planeta. E aí, será que você está disposto a conhecer a verdade e tirar esse alimento do seu prato?! Pois é…

Lixo zero: um novo conceito para um estilo de vida mais sustentável

Dentre os conceitos que envolvem a sustentabilidade, existe um que está cada vez mais em voga: o do lixo zero. Você já está familiarizado com esse termo? Se não, é bem capaz que logo mais estará, porque o conceito de lixo zero passou a ser um estilo de vida de quem se preocupa cada vez mais com o seu modo de consumir. Bora entender mais sobre o que se trata?

Lixo, Paradise, Sun, Aeronaves, Montanha De Lixo
Lixo zero: um estilo de vida de quem se preocupa com o futuro das gerações.

O que é lixo zero?

Você já parou para pensar na quantidade de lixo que o seu consumo produz? Seja nos industrializados, nas sacolas plásticas, nos restos de alimentos e até no papel higiênico, quase tudo vira lixo. Se não vira, vai pra reciclagem, o que é positivo, porém nem tanto quanto ao lixo zero, já que o processo de reciclagem tem diversos impactos na natureza, como o consumo excessivo de água.

Pois bem, vamos começar o papo partindo do básico, ou seja, sobre o que é lixo zero. O conceito diz respeito ao que justamente todos acreditam que seja ao escutar falar sobre ele: produzir nenhum resíduo possível ou, pelo menos, minimizá-lo o quanto é possível. Parece impossível, não parece?! Mas saiba que não é!

É sim possível reduzir a quantidade de resíduos gerados por nós.

Provas de que isso existe e é real são as diversas pessoas que, preocupadas com o meio-ambiente e o excesso de resíduos jogados na natureza, adotaram o lixo zero como estilo de vida, como é o caso da Cristal Muniz, do blog Uma vida sem lixo. A Cristal, por exemplo, é uma blogueira que é expert no assunto e publica diversas dicas sobre como reduzir o desperdício no dia-a-dia. O seu blog é praticamente uma Enciclopédia sobre o assunto!

Por que adotar esse estilo de vida?

Como deve imaginar, adotar o lixo zero como estilo de vida é um tanto quanto complicado. No entanto, você vai ver que todo esse esforço valerá à pena quando entender os porquês de reduzir o lixo na sua vida. Vamos saber mais?!

1. No Brasil, mais da metade do resíduo segue para os aterros sanitários.

Pense em toda a quantidade de lixo que você junta em um dia. Agora avance esse seu pensamento para meses e anos. Agora multiplica pela população brasileira e, quiçá, pela população mundial. E aí, conseguiu imaginar? É uma quantidade quase que infinita!

aterro sanitário
A quantidade de lixo que vai para o aterro é quase que infinita.

De todo mundaréu de lixo, mais de 50%, só no caso do nosso país, vai para os aterros sanitários. É um crime ambiental, praticamente! Lixos que poderiam ir para uma composteira, gerando material útil às plantas, ou ser reciclados, são desperdiçados e jogados ao meio-ambiente, esperando anos e, muitas vezes, séculos para serem integralmente decompostos.

2. Você começa a consumir de maneira mais consciente e a poupar mais dinheiro

Outro motivo para adotar o lixo zero como estilo de vida é que, além de contribuir com o meio-ambiente de modo em geral, você também contribui para o seu bolso, pois passa a consumir de maneira mais consciente. Como assim?!

Quando você muda o comportamento em relação ao desperdício gerado pelos seus hábitos de consumo, você passa a prestar mais atenção nas suas compras. Perguntas como: “será que vale a pena mesmo comprar aquele produto porque as pessoas X, Y e Z estão usando?” ou “será que eu realmente quero ou PRECISO disso?” começarão a vir com mais frequência à mente… Com isso, você já sabe, né? Diversos nãos serão dados e, assim, você poupará uma quantidade razoável de lixo – e de dinheiro, diga-se de passagem.

3. Você passará a incentiver empresas eco-friendly

Entre incentivar empresas multinacionais que, muitas vezes, pouco se importam com os impactos ambientais gerados por ela ou empresas eco-friendly, que atuam em prol do meio-ambiente, qual você optaria? A resposta nos parece meio clara: a última, não é mesmo?

Natureza, Terra, Sustentabilidade, Folha, Cuidado
Adotando o lixozero como estilo de vida, você incentivará empresas ecofriendly.

Então, com isso, você tem ainda outra motivação para assumir de vez o lixo zero como um hábito da sua vida. Em vez de apoiar grandes marcas, você estará em contato com pequenos empresários, que batalham de maneira árdua para trazer novas soluções a um estilo de vida mais sustentável. Um caso, por exemplo, é a empresa GreenFrog, fornecedora de canudos biodegradáveis e que vai de encontro com o conceito de lixo zero.

Dicas para adotar o lixo zero em sua vida

Como falamos acima, adotar o lixo zero como um estilo de vida não é, nem de longe, das tarefas mais fáceis. Isso porque precisa de planejamento, organização e muita força de vontade para driblar o mercado que insiste no consumo sem freio. Mas, de novo, todo o esforço valerá a pena, pois contribuir com o planeta é sempre a melhor opção!

Adotar o lixo zero como um estilo de vida não é fácil, porém é muito gratificante!

Então, para deixar o trabalho um pouco mais fácil para você, listamos algumas dicas que irão te auxiliar nesse novo comportamento. Lá vão elas:

1. Leve contigo o seu kit zero lixo

Se você tem o costume de ter refeições fora de casa e/ou acaba quase que sempre pedindo marmita, que tal ter em mãos um kit zero lixo, com itens reutilizáveis, como copo, talheres, canudos e até guardanapo de pano? Você deixará de consumir um monte de itens de plástico, que levam séculos para se decomporem na natureza.

2. Cancele os produtos industrializados da sua vida

Vamos ser sinceros: produtos industrializados facilitam a vida, mas não são essenciais – e, o pior, em sua maioria, são prejudiciais à saúde. Então, bora riscá-los em nossas vidas? Se não for possível eliminar de vez, sempre opte por embalagens ou materiais biodegradáveis, como é o caso de algumas marcas de café expresso, das escovas de dente de bambu e até do cotonete de papel!

Cotonetes, Algodão, Branco Bud, Ear Bud, Orelha
Já pensou em passar a usar cotonetes de papel?

3. Bora levar nossas próprias embalagens

Vai à feira? Leve seu saquinho de pano. Vai ao açougue? Leve seu pote de vidro. Vai ao granel? A mesma coisa, leve suas embalagens reutilizáveis. Sobre a ecobag, não precisa nem alertar, né? Já é um item indispensável para quem está ligado na sustentabilidade do nosso planeta.

4. Inove e faça seus próprios produtinhos

Já pensou em você mesmo fazer seu produto de limpeza ou de beleza? Pois é! No estilo de vida lixo zero, é bem possível isso e há diversas receitas espalhadas na internet. Quer mundo melhor do que fabricar para o uso próprio produtinhos que fazem bem à casa, ao corpo e à natureza?!

Faça seus próprios produtinhos – uma ideia é fazer óleos com ervas!

Eis, então, aí acima algumas das pouquíssimas dicas para adotar o lixo zero em sua vida. No entanto, a grande verdade é que o mundo que envolve esse conceito é gigantesco e tem diversas de possibilidades. Pesquise e, principalmente, deixe sua criatividade fluir. Além de fazer um bem danado a você, o mundo ficará bem melhor com esse tipo de atitude!